Sharon Stone: "A princesa Diana morreu e eu tive um AVC. Fomos esquecidas"

Atriz está de regresso às luzes da ribalta, com trabalhos aclamados pela crítica e novos projetos na calha, mas não esquece os anos que demorou a recuperar de um AVC e como foi maltratada.

Sharon Stone teve um AVC em 2001 e não esquece como foi difícil recuperar a carreira depois depois deste problema de saúde. Esta semana esteve num evento de sensibilização promovido pela Iniciativa para a Saúde Cerebral das Mulheres e falou de como tem sido a sua vida depois de ter atingido o ponto mais alto da fama e daí ter caído após um AVC "massivo".

"A minha mãe teve um AVC. A minha avó teve um AVC. Eu tive um AVC massivo - e uma hemorragia durante nove dias", contou à revista Variety, durante a ação de sensibilização, em West Hollywood, na quarta-feira à noite.

Mas se hoje a atriz está em condições de ser a voz de alerta para a maior prevalência de doenças do cérebro nas mulheres, nem sempre foi assim. Houve uma época em que Sharon Stone se sentia esquecida e mal tratada até pelas mulheres à sua volta. "As pessoas trataram-me de forma brutalmente desagradável. Desde outras mulheres do meio artístico até à juíza que julgou o caso da guarda parental do meu filho. Acho que ninguém percebe o quão perigoso um AVC é para as mulheres e o quanto demora a recuperar - eu levei sete anos."

Tempos difíceis em que Sharon Stone tentava manter a sua carreira, pagar as contas, discutir a guarda do filho e ainda recuperar a saúde. "Perdi o meu lugar na indústria. Eu era a estrela de cinema mais sexy." Foi aí que se sentiu como a princesa Diana. " Foi tipo a princesa Diana e eu éramos tão famosas - ela morreu e eu tive um AVC. Fomos esquecidas."

Um ciclo que se inverteu quando, em 2005, a Dior lhe deu um contrato com a marca. Sharon Stone atingiu o estrelado como protagonista do thriller erótico Instinto Fatal, no início da década de 1990. Depois foi nomeada para o Óscar de melhor atriz, em 1995, pelo filme Casino, de Martin Scorsese. Um sucesso que não conseguiu manter, já que em 1999 acaba nomeada nos prémios dos piores do cinema pelo seu papel no remake do thrillerGloria, de John Cassavetes.

Depois dos momentos maus, Sharon Stone voltou à ribalta de Hollywood. Com a participação, em 2017, na minissérie da HBO Mosaic de Steven Soderbergh. Para breve está prevista a sua participação ainda num papel não revelado no spin off/prequela de Voando Sobre um Ninho de Cucos da Netflix e que se vai chamar Ratched, a antagonista da história original e que será protagonizada por Sarah Paulson.

Até lá, a estrela de Hollywood está focada em passar a mensagem de alerta, em relação ao AVC. "Se tiver uma dor de cabeça muito forte, precisa de ir ao hospital. Eu só fui ao hospital depois de três ou quatro dias do meu AVC. A maioria das pessoas morre. Eu tinha 1% de hipóteses de sobreviver quando cheguei para fazer a cirurgia", alerta.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.