Serralves recebe a vencedora do Novo Banco Revelação em outubro

Maria Trabulo fará parte de uma exposição coletiva com os finalistas do prémio Carlos Arteiro, Ana Linhares e o coletivo Sem título 2018.

"Durante o mês de outubro, em data a anunciar, será inaugurada no Museu de Serralves uma exposição coletiva que apresenta as obras dos quatro artistas, e para a qual receberam uma bolsa de produção para a concretização do projeto pelo qual foram selecionados. Por essa ocasião será lançada uma publicação monográfica do trabalho da laureada Maria Trabulo", referiu a fundação.

A atribuição do prémio à jovem artista, avançada pelo Expresso na sexta-feira e depois confirmada por Serralves, deveu-se "ao carácter aturado e idiossincrático das pesquisas da artista, que a levam, no projeto com que concorreu ao Novo Banco Revelação, a questionar a relação da fotografia com os limites da memória humana".

Nascida em 1989, no Porto, Maria Trabulo é licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e pela Academia de Belas Artes da Islândia, possuindo um mestrado em Arte e Ciência pela Academia de Artes Aplicadas de Viena.

O júri da edição deste ano foi composto por Anna Gritz, curadora no instituto KW de Berlim, Filipa Loureiro e Ricardo Nicolau, curadora e adjunto do diretor do Museu de Serralves, e por Rita Vitorelli, editora chefe da revista Spyke Art.

Segundo o júri, citado no comunicado, "todos os artistas manifestam uma abordagem à fotografia que amplia o alcance e as possibilidades deste meio na arte contemporânea - por exemplo, em projetos relacionados com a memória da herança colonial portuguesa (Ana Linhares), ou que baralham noções de autoria e de identidade (coletivo Sem Título 2018), ou que partem da fotografia para explorar noutros meios, nomeadamente a pintura e o vídeo, o carácter impessoal, mecânico, da prática fotográfica (Carlos Arteiro)".

O prémio é uma iniciativa conjunta do banco que lhe dá nome e da Fundação de Serralves para "incentivar a produção e criação artística de jovens talentos portugueses, até 30 anos, tendo por base uma lógica de divulgação, lançamento e apoio a todos os artistas que recorram ao meio da fotografia". Cada artista recebe bolsas de produção no valor de 4500 euros, para a concretização dos seus projetos, com tema livre.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.