"Deadwood" vai ter nova vida em filme

A rede televisiva HBO confirmou ter aprovado a passagem da série "Deadwood" a filme, num projeto que era alvo de rumores há anos.

O chefe da programação da HBO, Casey Bloys, disse na quarta-feira que a produção já tem data de início marcada para outubro, mas que ainda não está definida uma data de lançamento, embora aponte para a primavera de 2019.

Bloys acrescentou ainda que foi um "pesadelo logístico" conseguir coordenar os horários de todo o elenco, mas que acabaram por conseguir gerir tudo.

A série, várias vezes galardoada, foi criada por David Milch, conhecido pelo seu trabalho nos dramas policiais A Balada de Nova Iorque e A Balada de Hill Street e era protagonizada por Timothy Olyphant, Ian McShane e Molly Parker.

Com estreia em 2004 e exibição até ao cancelamento em 2006, a série, um 'western', teve exibição em Portugal no canal FX.

Em 2016, a revista Rolling Stone fez um 'ranking' das 100 melhores séries televisivas de sempre, no qual Deadwood figurava em 23.º.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.