Renoir e os prazeres da Belle Époque

Está aí a última parte do ciclo de cinema francês que decorre no Nimas, e já chegou ao Teatro Campo Alegre. Oportunidade para ver Veneno, de Sacha Guitry, A Filha do Poceiro, de Marcel Pagnol, ou O Prazer, de Max Ophüls. Por aqui, destacamos o título de Jean Renoir: French Cancan

Quando Jean Renoir regressou a França, em 1953, depois do interregno de quinze anos entre Hollywood, uma rodagem na Índia e outra em Itália, o seu maior desejo do momento era realizar um filme que granjeasse um genuíno reencontro com o público francês, e lhe devolvesse o seu afeto. Respondendo diretamente à intenção, o filme que retomou esse diálogo intrínseco foi a comédia musical French Cancan (1955), que por todas as razões e mais algumas se revelou - e roubamos as palavras a Jacques Rivette, que na altura foi assistente de Renoir - "o hino mais triunfante que o cinema alguma vez dedicou à sua alma, o movimento, que cria as linhas, ao deslocá-las." Há muita paixão nesta frase, e tem toda a razão de ser.

Com efeito, French Cancan, que agora pode ser redescoberto no grande ecrã do Espaço Nimas, no âmbito do ciclo "Os Grandes Mestres 1930-1960", é o princípio da fase final da carreira do cineasta, que ficou marcada por uma explosão de sensualidade, em parte derivada da paleta de cores (Technicolor) que então aproximou ainda mais o seu cinema da pintura do pai, Pierre-Auguste Renoir. E o movimento de que falava Rivette não se refere apenas à impressionante e famosa última cena do filme - que é uma autêntica apoteose de ritmo, cor e exuberância traduzida na dança do cancan -, mas ao próprio "ensaio" de vida que se liberta em cada plano. Veja-se a jovem Nini (formosa Françoise Arnoul), que vai deixar de ser lavadeira para treinar o cancan; a ciumenta Lola (María Félix), que vai aprender a domar a tempestade que há dentro de si; o ainda mais ciumento Paulo, o padeiro, que perceberá que o oponente do amor é o prazer do mundo artístico; ou o príncipe Alexandre, de igual modo refém do amor, que abdicará deste em troca da memória fabricada de um romance parisiense... Quanto a Danglard (Jean Gabin), o grande responsável por este carrossel, já não tem nada a mudar e só se congratula com o espetáculo.

French Cancan assinalou também este reencontro com Gabin, o ator-ícone que outrora se afirmara como um dos rostos fundamentais da cinematografia de Renoir (Les bas-fonds, A Grande Ilusão, A Fera Humana). Ele é, por isso, parte da conversação reiniciada entre o mestre e o público francês. E aqui assume a personagem do empresário fundador do Moulin Rouge: é precisamente a história da origem desse cabaret, símbolo máximo da vivência boémia, que nos é contada. Uma história do mundo do espetáculo, que procura explorar todo o "artifício" (a palavra é do próprio Renoir) ligado à memória da Belle Époque, a que o realizador tanto quis prestar homenagem, sem nunca abandonar o jeito para a boa sátira social. A ela, à Belle Époque, regressaria ainda no seu derradeiro título, realizado para a televisão, Le petit théatre de Jean Renoir (1970).

Por agora, a questão que interessa é mesmo esta: como resistir à fúria visual de um filme que oscila entre a dança festiva e a algazarra castiça de mulheres com mulheres e homens com homens? Mais uma vez, é o movimento incessante do desejo humano, na sua expressão mais viva, que Renoir quer devolver ao espectador, extasiando-o com as calcinhas e folhos brancos das dançarinas, mas igualmente com a nostalgia romântica de uma era. E nem Edith Piaf escapa a esta deliciosa celebração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.