Rapper Cadet morre em acidente de táxi quando ia para concerto

Músico ia para um concerto na Universidade de Keeke quando o carro em que seguia embateu num outro.

O rapper britânico Cadet morreu este sábado na sequência de um acidente que envolveu o táxi em que se dirigia para a Universidade de Keele, em Staffordshire, para atuar num concerto organizado por estudantes. Outras cinco pessoas ficaram feridas e foram transportadas para o hospital. "Nós, a família de Blaine Cameron Johnson conhecida como Cadet, gostaríamos de partilhar a triste notícia de que durante a madrugada de 9 de fevereiro de 2019 ele morreu quando seguia num táxi a caminho de um concerto", confirmou a família que está a receber acompanhamento de psicólogos.

A polícia de Staffordshire confirmou que Johnson (28 anos) foi declarado morto no local do acidente depois de o Toyota Prius em que seguia ter embatido numa carrinha Vauxhall Combo vermelha em Betley, a oito quilómetros da universidade, às 13h30 deste sábado.

Em um comunicado, a polícia pediu a quem tivesse testemunhado o acidente e tenha fotografias do mesmo para as partilhar com a unidade de investigação de acidentes de Staffordshire e West Midlands. "Os motoristas de ambos os veículos, um homem de 36 anos de Stoke-on-Trent e um de 22 anos de Crewe, foram levados para o hospital da Royal Stoke University com ferimentos graves. Três outros passageiros foram tratados no hospital Leighton, em Crewe".

Cadet começou por ser conhecido devido aos seus vídeos divulgados no YouTube, antes de lançar o seu primeiro disco em 2016 (The Commitment) que foi bem recebido pela crítica. Além dos seus concertos, apoiou Krept & Konan nas suas digressões, tal como o rapper Manchester Bugzy Malone.

Este verão fazia parte do cartaz do Festival Wireless em Londres entre 5 e 7 de julho. No site do festival podia ler-se: "Cadet entrou no cenário musical durante o segundo semestre de 2015 com um estilo livre, contundente, atingindo mais de meio milhão de visualizações em apenas alguns meses. Cadet é apontado para uma carreira imparável. " A sua atuação estava marcada para 6 de julho e este sábado a organização anunciou na rede social Twitter que não iria retirar do programa a hora que estava programada para a sua atuação e que vai usá-la como um "momento de reflexão".

Depois de conhecida a morte foram divulgadas várias mensagens de homenagem a Cadet por parte de diversos artistas, nomeadamente a do seu primo Casyo Johnson, conhecido profissionalmente como Krept, que disse estar "devastado" e que sua vida "nunca mais vai ser a mesma. Adorava-te e vamos sentir a tua falta para sempre".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.