PróToiro quer ouvir ministro da Cultura sobre ataques à tauromaquia

PróToiro incita ministro a explicar o que vai fazer para travar investidas contra uma atividade cultural protegida por Lei. E revela que vai avançar contra autarquia da Póvoa de Varzim, onde as corridas foram proibidas há semanas

Apesar de duas vezes chumbados nos últimos dias projetos antitaurinos - primeiro na Assembleia da República, depois na Assembleia Municipal de Lisboa - e de as corridas de toiros terem sido confirmadas como espetáculo cultural e parte integrante da identidade portuguesa, continua a haver episódios que a Federação Portuguesa de Tauromaquia entende como ataques àquela forma de expressão cultural. Razão pela qual a PróToiro destaca o "incompreensível" silêncio do Ministério da Cultura, incitando o ministro Luís Filipe Castro Mendes a reagir.

"A PróToiro aguarda que o Ministério da Cultura quebre o silêncio face aos ataques que a tauromaquia em Portugal está a ser alvo, quer por via de iniciativas parlamentares quer por via do poder local. Já foi pedida, inclusive, uma audiência urgente com o ministro Luís Filipe Castro Mendes para debater o assunto", revela a associação.

"Se a própria lei reconhece que a Tauromaquia é cultura, é então obrigação do Estado promover e assegurar o acesso dos seus cidadãos à Tauromaquia", afirma o dirigente da PróToiro, Hélder Milheiro. "Qualquer decisão tomada no sentido de limitar ou proibir o acesso a um espetáculo cultural é inconstitucional", defende, recordando as decisões do Supremo Tribunal de Justiça e do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga.

Sublinhando, como agora foi reconfirmado, que a tauromaquia é "uma atividade tutelada pelo Ministério da Cultura e protegida pela legislação - Decreto-Lei nº 89/2014; Decreto-Lei nº 23/2014; Artigos 43º, 73º e 78º da Constituição da República Portuguesa" -, a PróToiro considera "inadmissível que o governo ainda não se tenha pronunciado sobre estas tentativas de proibições culturais, indignas de um Estado democrático, e esteja a fechar os olhos a atitudes ilegais do poder local que violam direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos".

"Após as tentativas frustradas de PAN, BE e PEV de proibirem a tauromaquia em Portugal, da decisão da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim de também proibir as touradas no concelho, da recomendação do PAN à Câmara Municipal de Lisboa de acabar com as corridas no Campo Pequeno, está na hora de o Ministério da Cultura dizer o que pretende fazer a estas violações à cultura portuguesa", frisa a Federação.

Face ao resultado da votação da última Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim, a PróToiro adianta ainda que irá avançar "com todos os meios legais contra a autarquia, contra o autarca e contra todos os que se associaram a este ataque vil à liberdade dos espetáculos culturais no concelho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.