Príncipe Carlos escolheu 100 obras de arte para exposição em Buckingham

Manto de Napoleão, fotografias dos filhos e aguarelas do próprio príncipe estão entre as obras da exposição que estará aberta ao público até ao final de setembro no palácio, em Londres.

O manto de veludo vermelho de Napoleão Bonaparte é uma das peças escolhidas pelo príncipe Carlos de Inglaterra para a exposição Prince and Patron , que estará a partir de sábado aberta ao público no Palácio de Buckingham, em Londres.

O manto esteve muitos anos exposto no Castelo de Windsor. No audio-comentário que acompanha os visitantes da exposição, Carlos explica: "Desde que, em criança, eu via este manto na grande vestíbulo de Windsor, que me sinto fascinado pela magia da cor, o padrão do forro e a fascinante história do próprio Napoleão que ele evoca". Diz-se que o manto foi usado pelo Imperador durante a campanha do Egito e que, 15 anos mais tarde foi encontrada na sua carruagem após a Batalha de Waterloo. Foi assim que veio parar à Coleção Real.

Para a exposição que assinala os 70 anos do príncipe, que se celebram a 14 de novembro, Carlos selecionou mais de 100 peças, desde retratos da família e fotografias até obras de arte da Coleção Real e até trabalhos de jovens artistas promissores. Entre as fotografias, é possível ver algumas do recente casamento de Harry e Meghan, assim como do batizado do príncipe George e outra com Carlos e o seu primeiro neto. Há ainda dias aguarelas de autoria de Carlos, pintadas da década de 1990 na propriedade da Rainha em Balmoral.

A exposição está patente na Ball Supper Room, uma sala octogonal, com quadros pendurados por toda a parede e mesas repletas de objetos decorativos, e ainda mobiliário, vasos e estátuas pela sala. Vanessa Remington, curadora de pintura da Coleção Real, explicou aos jornalistas: "É uma inovação porque não é a arrumação típica de um museu, as obras não estão expostas isoladamente, são mostradas em profusão, de forma muito, muito densa".

Uma vez que a Coleção Real tem cerca de 8 mil pinturas, 30 mil trabalhos em papel 500 mil objetos de arte decorativa, a escolha de apenas 100 peças não deve ter sido nada fácil. "Penso que a seleção reflete que Sua Alteza Real tem olho para o melhor. É uma seleção muito diversificada mas em cada caso ele procurou o melhor", comentou Remington.

Pode ver AQUI todas as peças que estão nesta exposição.

A partir de sábado, e como sempre no verão, o Palácio de Buckingham estará aberto ao público até 30 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.