Príncipe Carlos escolheu 100 obras de arte para exposição em Buckingham

Manto de Napoleão, fotografias dos filhos e aguarelas do próprio príncipe estão entre as obras da exposição que estará aberta ao público até ao final de setembro no palácio, em Londres.

O manto de veludo vermelho de Napoleão Bonaparte é uma das peças escolhidas pelo príncipe Carlos de Inglaterra para a exposição Prince and Patron , que estará a partir de sábado aberta ao público no Palácio de Buckingham, em Londres.

O manto esteve muitos anos exposto no Castelo de Windsor. No audio-comentário que acompanha os visitantes da exposição, Carlos explica: "Desde que, em criança, eu via este manto na grande vestíbulo de Windsor, que me sinto fascinado pela magia da cor, o padrão do forro e a fascinante história do próprio Napoleão que ele evoca". Diz-se que o manto foi usado pelo Imperador durante a campanha do Egito e que, 15 anos mais tarde foi encontrada na sua carruagem após a Batalha de Waterloo. Foi assim que veio parar à Coleção Real.

Para a exposição que assinala os 70 anos do príncipe, que se celebram a 14 de novembro, Carlos selecionou mais de 100 peças, desde retratos da família e fotografias até obras de arte da Coleção Real e até trabalhos de jovens artistas promissores. Entre as fotografias, é possível ver algumas do recente casamento de Harry e Meghan, assim como do batizado do príncipe George e outra com Carlos e o seu primeiro neto. Há ainda dias aguarelas de autoria de Carlos, pintadas da década de 1990 na propriedade da Rainha em Balmoral.

A exposição está patente na Ball Supper Room, uma sala octogonal, com quadros pendurados por toda a parede e mesas repletas de objetos decorativos, e ainda mobiliário, vasos e estátuas pela sala. Vanessa Remington, curadora de pintura da Coleção Real, explicou aos jornalistas: "É uma inovação porque não é a arrumação típica de um museu, as obras não estão expostas isoladamente, são mostradas em profusão, de forma muito, muito densa".

Uma vez que a Coleção Real tem cerca de 8 mil pinturas, 30 mil trabalhos em papel 500 mil objetos de arte decorativa, a escolha de apenas 100 peças não deve ter sido nada fácil. "Penso que a seleção reflete que Sua Alteza Real tem olho para o melhor. É uma seleção muito diversificada mas em cada caso ele procurou o melhor", comentou Remington.

Pode ver AQUI todas as peças que estão nesta exposição.

A partir de sábado, e como sempre no verão, o Palácio de Buckingham estará aberto ao público até 30 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.