Presidente da Lusa convida jornalista Luísa Meireles para diretora

A jornalista do Expresso vai substituir Pedro Camacho, que assumirá a direção da área da inovação

O presidente da Lusa, Nicolau Santos, convidou a jornalista Luísa Meireles, do Expresso, para diretora da agência noticiosa, que substitui Pedro Camacho no cargo, que assumirá a direção para a área da inovação, foi esta terça-feira anunciado.

O anúncio foi feito esta tarde num encontro com trabalhadores na sede da Lusa, em Lisboa, no qual Nicolau Santos deu também conta de que, da nova direção, faz também parte o ex-diretor-adjunto do Público Vítor Costa, regressando assim à Lusa, onde já foi subdiretor e editor de Economia.

O presidente do Conselho de Administração da Lusa anunciou ainda uma nova função na agência, de Provedor da Notícia, que será ocupada pelo professor universitário e especialista na área da comunicação social Gustavo Cardoso.

"Penso que a Agência Lusa tem um relativo atraso tecnológico e as mudanças tecnológicas, hoje em dia, no setor da comunicação, são brutais, a todos os níveis. Nós fazemos muito bem aquilo que fazemos desde a fundação, que é a produção de texto e de fotos, mas estamos relativamente atrasados na produção de áudio, vídeo, projetos 'online'", disse Nicolau Santos à Lusa no final do encontro com trabalhadores.

Por essa razão, "precisamos de refazer a nossa base tecnológica e refazê-la com bom senso, o que leva a ser necessário termos alguém que, conhecendo as questões tecnológicas, tenha também conhecimento da redação para não haver incompatibilidades entre estes dois processos", notou.

Nicolau Santos decidiu, assim, convidar para o novo cargo de Inovação e Novos Projetos da Agência Lusa o ainda diretor de Informação, Pedro Camacho, por considerar que "é a pessoa indicada" para o ocupar.

"Para o substituir na direção de Informação, convidei a Luísa Meireles, que é jornalista da Expresso na área da Política há muitos anos e que trabalhou também na área das Comunidades Europeias e de Segurança e Defesa, uma jornalista muito prestigiada, e para a acompanhar, o Vítor Costa, que já trabalhou na Lusa, foi diretor e editor, é uma pessoa muito interessada por Economia e por projetos tecnológicos", assinalou o responsável.

Na ocasião, o presidente do Conselho de Administração da Lusa anunciou ainda uma nova função na agência, de Provedor da Notícia, que será ocupada pelo professor universitário e especialista na área da comunicação social Gustavo Cardoso.

"Nós, às vezes, temos quem evoca o direito de resposta em relação a notícias nossas, mas que foram publicadas por um órgão de comunicação social e isso levanta alguns imbróglios. Por outro lado, precisamos de ter alguém que analise o nosso fio noticioso e nos diga se estamos a ir na direção certa ou a produzir coisas que não fazem sentido", explicou Nicolau Santos, referindo que este cargo será um "género de consultoria".

Os nomes serão agora apreciados pelo Conselho de Redação da Lusa e pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que terão de se pronunciar.

O parecer do regulador dos 'media' é vinculativo e, para isso, a ERC irá ouvir os convidados, assim como o presidente da agência, sendo que esta última audição acontece já na quarta-feira.

Nicolau Santos, que foi escolhido pelo Governo no final do ano passado para liderar a agência, estima que o processo esteja concluído até final do mês para que a nova Direção de Informação entre em funções em 1 de outubro.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.