Presidente da Lusa convida jornalista Luísa Meireles para diretora

A jornalista do Expresso vai substituir Pedro Camacho, que assumirá a direção da área da inovação

O presidente da Lusa, Nicolau Santos, convidou a jornalista Luísa Meireles, do Expresso, para diretora da agência noticiosa, que substitui Pedro Camacho no cargo, que assumirá a direção para a área da inovação, foi esta terça-feira anunciado.

O anúncio foi feito esta tarde num encontro com trabalhadores na sede da Lusa, em Lisboa, no qual Nicolau Santos deu também conta de que, da nova direção, faz também parte o ex-diretor-adjunto do Público Vítor Costa, regressando assim à Lusa, onde já foi subdiretor e editor de Economia.

O presidente do Conselho de Administração da Lusa anunciou ainda uma nova função na agência, de Provedor da Notícia, que será ocupada pelo professor universitário e especialista na área da comunicação social Gustavo Cardoso.

"Penso que a Agência Lusa tem um relativo atraso tecnológico e as mudanças tecnológicas, hoje em dia, no setor da comunicação, são brutais, a todos os níveis. Nós fazemos muito bem aquilo que fazemos desde a fundação, que é a produção de texto e de fotos, mas estamos relativamente atrasados na produção de áudio, vídeo, projetos 'online'", disse Nicolau Santos à Lusa no final do encontro com trabalhadores.

Por essa razão, "precisamos de refazer a nossa base tecnológica e refazê-la com bom senso, o que leva a ser necessário termos alguém que, conhecendo as questões tecnológicas, tenha também conhecimento da redação para não haver incompatibilidades entre estes dois processos", notou.

Nicolau Santos decidiu, assim, convidar para o novo cargo de Inovação e Novos Projetos da Agência Lusa o ainda diretor de Informação, Pedro Camacho, por considerar que "é a pessoa indicada" para o ocupar.

"Para o substituir na direção de Informação, convidei a Luísa Meireles, que é jornalista da Expresso na área da Política há muitos anos e que trabalhou também na área das Comunidades Europeias e de Segurança e Defesa, uma jornalista muito prestigiada, e para a acompanhar, o Vítor Costa, que já trabalhou na Lusa, foi diretor e editor, é uma pessoa muito interessada por Economia e por projetos tecnológicos", assinalou o responsável.

Na ocasião, o presidente do Conselho de Administração da Lusa anunciou ainda uma nova função na agência, de Provedor da Notícia, que será ocupada pelo professor universitário e especialista na área da comunicação social Gustavo Cardoso.

"Nós, às vezes, temos quem evoca o direito de resposta em relação a notícias nossas, mas que foram publicadas por um órgão de comunicação social e isso levanta alguns imbróglios. Por outro lado, precisamos de ter alguém que analise o nosso fio noticioso e nos diga se estamos a ir na direção certa ou a produzir coisas que não fazem sentido", explicou Nicolau Santos, referindo que este cargo será um "género de consultoria".

Os nomes serão agora apreciados pelo Conselho de Redação da Lusa e pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que terão de se pronunciar.

O parecer do regulador dos 'media' é vinculativo e, para isso, a ERC irá ouvir os convidados, assim como o presidente da agência, sendo que esta última audição acontece já na quarta-feira.

Nicolau Santos, que foi escolhido pelo Governo no final do ano passado para liderar a agência, estima que o processo esteja concluído até final do mês para que a nova Direção de Informação entre em funções em 1 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.