"Peregrinação" de João Botelho candidato a nomeação para Óscares e Goya

O filme Peregrinação, de João Botelho, é o candidato de Portugal a uma nomeação para os prémios Óscares e Goya em 2019, anunciou hoje a Academia Portuguesa de Cinema.

A longa-metragem, que transpõe para cinema episódios do livro Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, é a escolha portuguesa para uma nomeação para o prémio de melhor filme estrangeiro tanto nos Óscares (EUA) como nos Goya (Espanha).

Peregrinação, impresso pela primeira vez em 1614, é um relato da presença dos portugueses no Oriente e uma crónica de viagens de duas décadas de vivência de Fernão Mendes Pinto.

Quando rodou o filme, no ano passado, João Botelho contou à agência Lusa que o filme "não é a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto", mas é uma parte, "como se fosse uma introdução à leitura" da obra.

O filme é protagonizado por Cláudio da Silva, à frente de um elenco que inclui ainda, entre outros, Catarina Wallenstein, Pedro Inês, Maya Booth, Cassiano Carneiro, Rui Morisson, Jani Zhao e Zia Soares.

Do filme faz também parte Por este rio acima, do músico Fausto Bordalo Dias, interpretado por um coro masculino.

Os prémios de cinema espanhol Goya serão entregues a 02 de fevereiro, enquanto a cerimónia dos Óscares está marcada para 24 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".