"Peregrinação" de João Botelho candidato a nomeação para Óscares e Goya

O filme Peregrinação, de João Botelho, é o candidato de Portugal a uma nomeação para os prémios Óscares e Goya em 2019, anunciou hoje a Academia Portuguesa de Cinema.

A longa-metragem, que transpõe para cinema episódios do livro Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, é a escolha portuguesa para uma nomeação para o prémio de melhor filme estrangeiro tanto nos Óscares (EUA) como nos Goya (Espanha).

Peregrinação, impresso pela primeira vez em 1614, é um relato da presença dos portugueses no Oriente e uma crónica de viagens de duas décadas de vivência de Fernão Mendes Pinto.

Quando rodou o filme, no ano passado, João Botelho contou à agência Lusa que o filme "não é a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto", mas é uma parte, "como se fosse uma introdução à leitura" da obra.

O filme é protagonizado por Cláudio da Silva, à frente de um elenco que inclui ainda, entre outros, Catarina Wallenstein, Pedro Inês, Maya Booth, Cassiano Carneiro, Rui Morisson, Jani Zhao e Zia Soares.

Do filme faz também parte Por este rio acima, do músico Fausto Bordalo Dias, interpretado por um coro masculino.

Os prémios de cinema espanhol Goya serão entregues a 02 de fevereiro, enquanto a cerimónia dos Óscares está marcada para 24 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.