Pela primeira vez em 30 anos os Óscares não vão ter apresentador

A mudança de registo está relacionada com a desistência do apresentador convidado, Kevin Hart, a um mês da cerimónia.

A Academia das Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood já decidiu: a 91.ª cerimónia de apresentação dos Óscares - marcada para o próximo dia 24 de fevereiro, no Dolby Theatre - não terá apresentador.

Apenas uma vez a cerimónia não tem apresentador. Há precisamente 30 anos foi feita esta opção, numa emissão que é universalmente considerada má.

A decisão surgiu na sequência da polémica que rodeou a renúncia do comediante Kevin Hart e a organização prescindiu mesmo de um "mestre de cerimónias" para a emissão deste ano. Serão as diversas estrelas que apresentarão os diversos Óscares que repartirão esse papel entre si, ao longo da cerimónia, de acordo com a revista Variety.

O novo formato terá segmentos cómicos e os já habituais momentos musicais, que este ano deverão ser protagonizados por Lady Gaga, Dolly Parton e Kendrick Lamar.

No ano passado, a cerimónia apresentada pelo comediante Jimmy Kimmel teve a audiência mais baixa de sempre; assistiram à entrega dos prémios 26,5 milhões de pessoas.

Kevin Hart desistiu por causa de críticas da comunidade LGBT

O ator e comediante desistiu de apresentar a cerimónia dos Óscares de 2019 devido ao coro de críticas sobre afirmações do norte-americano, palavras proferidas há mais de sete anos, consideradas ofensivas pela comunidade homossexual.

Em 2010, Kevin Hart afirmou: "Um dos meus maiores medos é que o meu filho cresça a ser gay. Isso é um medo. Atenção, não sou homofóbico... seja feliz. Faça o que quiser. Mas eu, como homem heterossexual, se puder impedir o meu filho de ser gay, irei fazê-lo."

A organização não-governamental GLAAD , que monitoriza a forma como os meios de comunicação retratam a comunidade LGBT, aprsesentou uma queixa junto do canal de televisão ABC, emissora dos Óscares, e na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas para "discutir a retórica e o registo anti-LGBT de Kevin".

"Tomei a decisão de renunciar à apresentação dos Óscares deste ano... porque não quero ser uma distração numa noite que deve ser comemorada por tantos artistas talentosos incríveis. Peço as minhas mais sinceras desculpas à comunidade LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros] pelas minhas palavras insensíveis feitas no passado", escreveu na sua conta oficial na rede social Twitter a 7 de dezembro.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.