Pausa na música. O Alive tem um palco para quem se quer rir

Guilherme Duarte chama-lhe "Coachella da Primark", e à semelhança do que já aconteceu no festival norte-americano, também há um Palco Comédia no Nos Alive. Foi lá que o humorista se apresentou

Por Falar Noutra Coisa é o nome da página que Guilherme Duarte alimenta nas redes sociais. É a sua plataforma de humor, aquela que o lançou, sem televisão nem rádio, para o mundo do stand up, como disse Jel no momento de apresentar o humorista no Palco Comédia do festival Nos Alive.

"Coachella da Primark", chamou-lhe Guilherme Duarte no início da atuação esta quinta-feira, dia 12, arrancando as primeiras gargalhadas ao público, uma plateia bem composta, sentada na relva artificial. O humorista foi o penúltimo da noite (antes de Rui Sinel de Cordes).

O espetáculo reuniu material que tem levado em digressão pelo país, mas também histórias novas, que ganham corpo para um futuro espetáculo. O dia em que foi caçado pela polícia, depois de ter fumado ganza num descampado da Damaia, viver com a namorada, um momento de spoken word e o derradeiro segmento, em que critica os críticos - Coninhas Gonna Conate.

Os momentos antes de subir ao palco foram de pânico. "Estou sempre e hoje ainda mais um bocadinho, porque há sempre gente que não sabe ao que vem. Não pagaram para me ver... ".

Os momentos seguintes foram de descontração. "É sempre difícil, porque estamos num festival de música, as pessoas vêm mais pelos concertos, há barulho e o stand up precisa de muito silêncio, para controlar as pausas, mas mesmo assim acho que correu bem. Acho que cada vez mais as pessoas vêm ao palco comédia para se rir um bocadinho."

Do computador para o palco

Vários espetáculos ao vivo depois, Guilherme Duarte diz que estar ao computador ainda é o que mais gosta de fazer. "É mais fácil". O primeiro espetáculo a solo aconteceu há um ano. "Comecei a gostar mais de fazer stand up, de montar o espetáculo". Pretende ter um espetáculo novo todos os anos e está precisamente a trabalhar um novo texto e apresentou parte no palco do Alive. "Algum texto novo, algum mais testado, foi meio-meio".

Há episódios que envolvem canábis, polícia e um descampado na Damaia, e que se juntaram as piadas à vida em comum com a namorado, ao facto de ser informático e um momento de spoken word em fala da dependência das redes sociais.

Como quase tudo o que conta em palco, também aqui está a usar a experiência pessoal. "Cada vez mais me tento desligar disso, de ver quantos likes tem um piada...", diz, quando se pergunta se já foi ver quantos likes e seguidores tem a mais desde que desceu do Palco Comédia. "Passado um tempo vou ver, mas já não ligo tanto. É uma prisão muito grande e comecei a sentir que isso estava a tornar-se mal. Nem sei ao certo quantos seguidores tenho. Há sempre gente a entrar e a sair".

Neste primeiro dia, atuaram Joel Ricardo, Rui Xará, Guilherme Geirinhas e Manuel Cardoso (Colóquio de Bethipsters). "Correu muito bem. O Joel nunca tinha visto ao vivo, Geirinhas e Manuel Cardoso fizeram uma coisa diferente do habitual", diz, acrescentando que ainda quer ver Pedro Teixeira da Mota e não muito mais, que sobe ao palco este sábado. "Hoje em dia custa-me ver comédia. Se não correr bem, sofro. Se correr, penso 'ah, filho da mãe, correu tão bem".

O que ainda pode ver

Esta sexta-feira, dia 13, também sobe ao palco com a banda satírica Kalashnikov (00.50), um dos seus projetos de Jel ao lado do irmão, Vasco Duarte. No cenário criado pelo artista Bordallo II também vão passar o comediante britânico Simon Day (22.35), protagonista dos programas da BBC The Fast Show e History of Rock, o humorista e guionista Rui Cruz (20.50), o "jovem conservador de direita" Bruno Henriques (19.25) e Miguel Lambertini, a quem cabe a abertura do palco (18.00),

Amanhã, sábado, dia 14, os Cebola Mol, de Eduardo Madeira e Filipe Homem Fonseca, são os cabeças de cartaz do último dia de Alive 2018. Sobem ao palco à 01.15. Pelo palco passam ainda o autor do poscadt Ask.tm e Erro Crasso, Pedro Teixeira da Mota (22.35), Diogo Batáguas, autor do espetáculo Quero Lá Saber (20.35) que tem levado em digressão pelo país (20.35), Ana Garcia Martins, autora do blogue A Pipoca Mais Doce(19.10)e o humorista João Pinto (17.45).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.