Paulo Flores no Rock in Rio: uma história de semba e futebol

Músico angolano com 30 anos de carreira e 15 álbuns editados foi este domingo o cabeça de cartaz do palco EDP Rock Street do Rock in Rio, num concerto que foi antecipado por causa do jogo de Portugal com o Uruguai, no Mundial da Rússia

A kizomba está na moda, certo é, mas Paulo Flores escolheu não trazê-la para o concerto deste sábado à tarde no palco EDP Rock Street do Rock in Rio, inteiramente dedicado a África. Trouxe semba. Afrobeat. Temas do último álbum, Kandongueiro Voador, como Boca do Lobo. "É um show mais upbeat com a intenção de pôr as pessoas felizes e com uma energia boa", dizia Paulo Flores ao DN no backstage, antes do início do concerto. Alguns dos músicos que o acompanham, como o guitarrista guineense Manecas Costa, assistiam ali ao Argentina-França, que acabou com a vitória francesa. Iriam entrar em palco 45 minutos antes do previsto. Às 18.15. O motivo é o futebol. Portugal-Uruguai em Sochi. Que acabou com a vitória uruguaia.

Mas quando o angolano tocou na Bela Vista estava-se longe de prever um tal desfecho e durante todo o espetáculo o músico puxou por Portugal e pelo público. "A seguir vamos gritar Portugal, ya? Mãos no alto, tocando as estrelas", lançou, à audiência já de braços no ar. Numa interação perfeita com os vários músicos e instrumentos - como de resto costuma fazer nos concertos que quase transforma em jam sessions - Paulo Flores avisou: "De Angola, para quem não conhece, o semba". E tocou o tema Poema do Semba.

E a dança saiu. Formaram-se pares. Dançou-se. Aplaudiu-se. "Eu já fui tocar à Polónia, à China, à Rússia por causa da kizomba e do semba. Fui a festivais de bachata, salsa, kizomba e semba. Acho que isso são formas de nos aproximar. O mundo artístico não conhece fronteiras. Nunca pensei que chegasse tão longe, mas acho que tem tudo que ver com a dança, com essa vontade de seguir em frente e com uma energia diferente", constatou ao DN, na entrevista de backstage, sublinhando o papel da dança no interesse dos públicos pela música angolana.

"Mãos lá em cima gente. Sem vergonha gente. Quero ver que Portugal vai marcar. Para cima. Para cima", gritava o músico, enquanto o público saltava. Para quem conhecia, veio de propósito, soube a pouco, para quem não conhecia, ficou a curiosidade de conhecer mais. "A ideia de um palco dedicado a África no Rock in Rio é de louvar. Este palco tem uma função de nos dar espaço e de estar mais perto das pessoas. Estou contente por estar aqui", confessou o músico angolano que, desta vez, não tocou o tema Só fui lá pôr um Like. Então num festival de selfies, youtubers, instagramers e facebookers à caça de Likes não toca esse tema? "Não. Neste show não foi prioridade. Hoje não há Like", garantiu, entre risos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)