Paulo Flores no Rock in Rio: uma história de semba e futebol

Músico angolano com 30 anos de carreira e 15 álbuns editados foi este domingo o cabeça de cartaz do palco EDP Rock Street do Rock in Rio, num concerto que foi antecipado por causa do jogo de Portugal com o Uruguai, no Mundial da Rússia

A kizomba está na moda, certo é, mas Paulo Flores escolheu não trazê-la para o concerto deste sábado à tarde no palco EDP Rock Street do Rock in Rio, inteiramente dedicado a África. Trouxe semba. Afrobeat. Temas do último álbum, Kandongueiro Voador, como Boca do Lobo. "É um show mais upbeat com a intenção de pôr as pessoas felizes e com uma energia boa", dizia Paulo Flores ao DN no backstage, antes do início do concerto. Alguns dos músicos que o acompanham, como o guitarrista guineense Manecas Costa, assistiam ali ao Argentina-França, que acabou com a vitória francesa. Iriam entrar em palco 45 minutos antes do previsto. Às 18.15. O motivo é o futebol. Portugal-Uruguai em Sochi. Que acabou com a vitória uruguaia.

Mas quando o angolano tocou na Bela Vista estava-se longe de prever um tal desfecho e durante todo o espetáculo o músico puxou por Portugal e pelo público. "A seguir vamos gritar Portugal, ya? Mãos no alto, tocando as estrelas", lançou, à audiência já de braços no ar. Numa interação perfeita com os vários músicos e instrumentos - como de resto costuma fazer nos concertos que quase transforma em jam sessions - Paulo Flores avisou: "De Angola, para quem não conhece, o semba". E tocou o tema Poema do Semba.

E a dança saiu. Formaram-se pares. Dançou-se. Aplaudiu-se. "Eu já fui tocar à Polónia, à China, à Rússia por causa da kizomba e do semba. Fui a festivais de bachata, salsa, kizomba e semba. Acho que isso são formas de nos aproximar. O mundo artístico não conhece fronteiras. Nunca pensei que chegasse tão longe, mas acho que tem tudo que ver com a dança, com essa vontade de seguir em frente e com uma energia diferente", constatou ao DN, na entrevista de backstage, sublinhando o papel da dança no interesse dos públicos pela música angolana.

"Mãos lá em cima gente. Sem vergonha gente. Quero ver que Portugal vai marcar. Para cima. Para cima", gritava o músico, enquanto o público saltava. Para quem conhecia, veio de propósito, soube a pouco, para quem não conhecia, ficou a curiosidade de conhecer mais. "A ideia de um palco dedicado a África no Rock in Rio é de louvar. Este palco tem uma função de nos dar espaço e de estar mais perto das pessoas. Estou contente por estar aqui", confessou o músico angolano que, desta vez, não tocou o tema Só fui lá pôr um Like. Então num festival de selfies, youtubers, instagramers e facebookers à caça de Likes não toca esse tema? "Não. Neste show não foi prioridade. Hoje não há Like", garantiu, entre risos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.