Paul McCartney recusou participação de Kanye West no novo disco

Em entrevista à GQ, o músico, que acaba de lançar "Egypt Station", conta várias histórias do tempo dos Beatles, como aquela vez em que se masturbou com John Lennon.

Lançado no passado dia 7 de setembro, Egypt Station é o 17º álbum a solo de Paul McCartney. No entanto, aos 76 anos, o músico britânico continua a responder a perguntas sobre a juventude, os anos de 1960 e os Beatles. Foi isso que aconteceu, mais uma vez, com a longa entrevista que deu este mês para revista GQ e na qual revela, por exemplo, que uma das noites de farra terminou com uma masturbação coletiva, com John Lennon e mais algumas pessoas: "Estávamos todos sentados em cadeiras, com as luzes apagadas, alguém começou a masturbar-se e assim o fizemos todos".

No meio da escuridão, de vez em quando alguém gritava o nome de uma rapariga para manter a animação. Como por exemplo Brigitte Bardot, lembra McCartney. Mas a brincadeira terminou quando Lennon gritou o nome de Winston Churchill. "Há tantas históricas assim de quando éramos novos que olhamos para trás e pensamos: eu fiz mesmo isto? Mas era bom e era um divertimento inócuo, não prejudicava ninguém."

Alguém de contar algumas histórias sobre os tempos dos Beatles e as experiências com drogas, o músico fala também de como tem sido envelhecer e de como se sente satisfeito com o que conquistou ao longo destes 76 anos de vida: "Há muitas coisas boas a acontecerem na minha vida e de uma maneira geral tenho-me divertido bastante", diz.

Também fala sobre as várias polémicas que têm surgido com outros músicos, de Quincy Jones a Damon Albarn, passando por Kanye West que, revela, se terá "simpaticamente oferecido para produzir este álbum". O ex-Beatle já tinha trabalhado com ele em FourFiveSeconds mas, desta vez, McCartney recusou: "Sabia a direção que queria seguir. E sabia que seria muito diferente daquela que Kanye quereria tomar."

Esta semana, McCartney mostrou o videoclipe de Fuh You, filmado em Liverpool (na entrevista, o músico explica também o que quer dizer este título que é uma forma divertida e amorosa de dizer "fuck you" quando na verdade ainda se é uma criança):

O músico está neste momento em digressão, com 23 concertos agendados para o Canadá, Japão, Europa (Liverpool a 12 de dezembro e Londres a 16 de dezembro) e Estados Unidos até junho do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.