Paul McCartney recusou participação de Kanye West no novo disco

Em entrevista à GQ, o músico, que acaba de lançar "Egypt Station", conta várias histórias do tempo dos Beatles, como aquela vez em que se masturbou com John Lennon.

Lançado no passado dia 7 de setembro, Egypt Station é o 17º álbum a solo de Paul McCartney. No entanto, aos 76 anos, o músico britânico continua a responder a perguntas sobre a juventude, os anos de 1960 e os Beatles. Foi isso que aconteceu, mais uma vez, com a longa entrevista que deu este mês para revista GQ e na qual revela, por exemplo, que uma das noites de farra terminou com uma masturbação coletiva, com John Lennon e mais algumas pessoas: "Estávamos todos sentados em cadeiras, com as luzes apagadas, alguém começou a masturbar-se e assim o fizemos todos".

No meio da escuridão, de vez em quando alguém gritava o nome de uma rapariga para manter a animação. Como por exemplo Brigitte Bardot, lembra McCartney. Mas a brincadeira terminou quando Lennon gritou o nome de Winston Churchill. "Há tantas históricas assim de quando éramos novos que olhamos para trás e pensamos: eu fiz mesmo isto? Mas era bom e era um divertimento inócuo, não prejudicava ninguém."

Alguém de contar algumas histórias sobre os tempos dos Beatles e as experiências com drogas, o músico fala também de como tem sido envelhecer e de como se sente satisfeito com o que conquistou ao longo destes 76 anos de vida: "Há muitas coisas boas a acontecerem na minha vida e de uma maneira geral tenho-me divertido bastante", diz.

Também fala sobre as várias polémicas que têm surgido com outros músicos, de Quincy Jones a Damon Albarn, passando por Kanye West que, revela, se terá "simpaticamente oferecido para produzir este álbum". O ex-Beatle já tinha trabalhado com ele em FourFiveSeconds mas, desta vez, McCartney recusou: "Sabia a direção que queria seguir. E sabia que seria muito diferente daquela que Kanye quereria tomar."

Esta semana, McCartney mostrou o videoclipe de Fuh You, filmado em Liverpool (na entrevista, o músico explica também o que quer dizer este título que é uma forma divertida e amorosa de dizer "fuck you" quando na verdade ainda se é uma criança):

O músico está neste momento em digressão, com 23 concertos agendados para o Canadá, Japão, Europa (Liverpool a 12 de dezembro e Londres a 16 de dezembro) e Estados Unidos até junho do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.