Paul McCartney recusou participação de Kanye West no novo disco

Em entrevista à GQ, o músico, que acaba de lançar "Egypt Station", conta várias histórias do tempo dos Beatles, como aquela vez em que se masturbou com John Lennon.

Lançado no passado dia 7 de setembro, Egypt Station é o 17º álbum a solo de Paul McCartney. No entanto, aos 76 anos, o músico britânico continua a responder a perguntas sobre a juventude, os anos de 1960 e os Beatles. Foi isso que aconteceu, mais uma vez, com a longa entrevista que deu este mês para revista GQ e na qual revela, por exemplo, que uma das noites de farra terminou com uma masturbação coletiva, com John Lennon e mais algumas pessoas: "Estávamos todos sentados em cadeiras, com as luzes apagadas, alguém começou a masturbar-se e assim o fizemos todos".

No meio da escuridão, de vez em quando alguém gritava o nome de uma rapariga para manter a animação. Como por exemplo Brigitte Bardot, lembra McCartney. Mas a brincadeira terminou quando Lennon gritou o nome de Winston Churchill. "Há tantas históricas assim de quando éramos novos que olhamos para trás e pensamos: eu fiz mesmo isto? Mas era bom e era um divertimento inócuo, não prejudicava ninguém."

Alguém de contar algumas histórias sobre os tempos dos Beatles e as experiências com drogas, o músico fala também de como tem sido envelhecer e de como se sente satisfeito com o que conquistou ao longo destes 76 anos de vida: "Há muitas coisas boas a acontecerem na minha vida e de uma maneira geral tenho-me divertido bastante", diz.

Também fala sobre as várias polémicas que têm surgido com outros músicos, de Quincy Jones a Damon Albarn, passando por Kanye West que, revela, se terá "simpaticamente oferecido para produzir este álbum". O ex-Beatle já tinha trabalhado com ele em FourFiveSeconds mas, desta vez, McCartney recusou: "Sabia a direção que queria seguir. E sabia que seria muito diferente daquela que Kanye quereria tomar."

Esta semana, McCartney mostrou o videoclipe de Fuh You, filmado em Liverpool (na entrevista, o músico explica também o que quer dizer este título que é uma forma divertida e amorosa de dizer "fuck you" quando na verdade ainda se é uma criança):

O músico está neste momento em digressão, com 23 concertos agendados para o Canadá, Japão, Europa (Liverpool a 12 de dezembro e Londres a 16 de dezembro) e Estados Unidos até junho do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.