Palma de Ouro de Cannes consagra filme da Coreia do Sul

É uma estreia: a primeira Palma de Ouro do Festival de Cannes para a Coreia do Sul pertence a "Parasite", de Bong Joon Ho. O júri presidido por Alejandro González Iñárritu deixou de fora os filmes de Quentin Tarantino e Terrence Malick.

Com o filme Parasite, a Coreia do Sul estreou-se a vencer o Festival de Cannes. Para a história da 72ª edição do Festival de Cannes, o júri presidido pelo mexicano Alejandro González Iñárritu talvez possa ser definido como um coletivo que tentou concretizar a quadratura do círculo - as suas escolhas são, em última instância, um reflexo das muitas diferenças que habitam a produção contemporânea.

Assim, a distinção máxima para o coreano Parasite, de Bong Joon Ho, consagrou um dos objetos mais originais que o certame apresentou: uma comédia social sobre uma família que, de modo inesperado e perturbante, se vai transfigurando em conto apocalíptico, pleno de ressonâncias simbólicas.

Ao mesmo tempo, é bem provável que, daqui a algumas décadas, os estudiosos do cinema se perguntem o que aconteceu para que as proezas de Quentin Tarantino ( Era uma Vez... em Hollywood ) e Terrence Malick ( A Hidden Life ) tivessem ficado fora do palmarés.

A "invenção" de prémios que não estão previstos no quadro tradicional do palmarés é sempre sintomática de alguma indefinição, porventura algum mal estar. Daí o insólito da "menção especial" para It Must Be Heaven, de Elia Suleiman. Voltando a encenar a sua condição de palestiniano como uma espécie de exílio interior, para mais através de uma alegria profundamente burlesca, Suleiman assinou um dos títulos mais ricos e sugestivos do festival. Do meu ponto de vista, face a esta "compensação", não havendo consenso para lhe atribuir um dos prémios principais, teria sido mais razoável deixá-lo fora do palmarés.

A distinção mais consensual terá sido a de Antonio Banderas, como melhor ator, pela sua magnífica interpretação em Dolor y Gloria, de Pedro Almodóvar. O mesmo não se poderá dizer do prémio de melhor actriz para Emily Beecham, em Little Joe, de Jessica Hausner: uma performance segura e competente, sem dúvida, mas que deixou de fora trabalhos incomparavelmente mais complexos, incluindo os de Valerie Pachner (A Hidden Life) e Noémie Merlant e Adèle Haenel (ambas em Portrait de la Jeune Fille en Fleur).

Enfim, sublinhe-se o regresso de Luc e Jean-Pierre Dardenne ao palmarés, desta vez com o prémio de realização pelo seu admirável Le Jeune Ahmed, retrato íntimo de um jovem manipulado pelas ilusões do fundamentalismo religioso (recorde-se que os irmãos Dardenne já receberam várias distinções em Cannes, incluindo duas Palmas de Ouro).

Para a história, registe-se também a presença brasileira no palmarés com Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, título que recebeu o Prémio do Júri (ex-aequo com o francês Os Miseráveis, de Ladj Ly). Tendo em conta que outro título brasileiro, A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Karim Aïnouz, já arrebatara o prémio principal da secção paralela "Un Certain Regard", o mínimo que se pode dizer é que este foi um festival em que o Brasil marcou pontos importantes nos circuitos internacionais.

PALMARÉS

PALMA DE OURO - Parasite, de Bong Joon Ho (Coreia do Sul)

GRANDE PRÉMIO - Atlantique, de Mati Diop (França)

REALIZAÇÃO - Le Jeune Ahmed, de Luc e Jean-Pierre Dardenne (Bélgica)

ATOR - Antonio Banderas, em Dolor y Gloria, de Pedro Almodóvar (Espanha)

ATRIZ - Emily Beecham, em Little Joe, de Jessica Hausner (Áustria)

ARGUMENTO - Portrait de La Jeune Fille en Feu, de Céline Sciamma (França)

PRÉMIO DO JÚRI (ex-aequo) - Les Misérables, de Ladj Ly (França) e Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles (Brasil)

CÂMARA DE OURO (primeiras obras) - Nuestras Madres, de César Díaz (Guatemala)

CURTAS-METRAGENS - La Distance Entre Le Ciel et Nous, de Vasilis Kekatos (Grécia); menção especial: Mionstruo Dios, de Agustina San Martín (Argentina)

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.