Miguel Gomes lembra Laura Soveral, atriz de enorme versatilidade

O realizador Miguel Gomes sublinhou hoje a "enorme versatilidade" e a "elasticidade inacreditável" de Laura Soveral, afirmando sentir já "saudades" da atriz com quem trabalhou apenas uma vez, há sete anos.

"Sinto já saudades dela", afirmou Miguel Gomes à agência Lusa, a propósito da morte de Laura Soveral, hoje em Lisboa, aos 85 anos. "Era uma atriz incrível", de uma "enorme versatilidade", com uma grande capacidade para "mudar de registo de um momento para o outro", "num piscar de olhos", salientou o realizador de cinema à Lusa.

Para Miguel Gomes, Laura Soveral "tinha uma elasticidade inacreditável; era quase como uma atleta de ginástica", frisou. "Como atriz, o que era espantoso é que as coisas lhe saíam com uma naturalidade incrível. Parecia que não tinha medo de nada", sublinhou.

Miguel Gomes recordou vários momentos que viveu com a atriz quando realizou "Tabu" (2012) e sublinhou que na altura a tratava de "rainha branca". "Porque havia sempre nela qualquer coisa de aristocrático", acrescentou.

Ao referir que há cerca de três meses trocou mensagens com a atriz quando esta já se encontrava doente, a propósito de memórias de quando trabalharam juntos, o realizador disse estar convicto de que terem tido a oportunidade de trabalhar juntos "foi um grande orgulho para ambos".

Nascida a 23 de março de 1933, em Benguela, Laura Soveral morreu hoje no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, vítima de esclerose lateral amiotrófica.

A atriz doou o corpo à ciência, pelo que não terá cerimónias fúnebres.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.