Marcelo lembra "voz única" de Celeste Rodrigues

O Presidente da República lamentou hoje a morte da fadista, recordando a sua "voz única", alegria, amabilidade e a forma como "nunca perdeu a curiosidade de conhecer um mundo em permanente mudança"

"Celeste Rodrigues tinha de facto uma voz única, distinta da voz da sua mãe, distinta da voz da sua irmã Amália, distinta na sua independência, autonomia e sobretudo alegria", lê-se numa mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa, divulgada no 'site' da Presidência da República.

Sublinhando que, até ao fim da sua vida, a fadista "nunca perdeu a curiosidade de conhecer um mundo em permanente mudança", o chefe de Estado lembra que Celeste Rodrigues cantou com inúmeros artistas portugueses e internacionais, "a todos conquistando com a sua amabilidade tão genuína".

"Foi com grande tristeza que soube da notícia do falecimento da fadista Celeste Rodrigues. Herdou dos pais o gosto pela música, pelo fado em particular, uma constante na sua vida e um verdadeiro dom que generosamente partilhou com todos à sua volta, amigos e desconhecidos", acrescenta o Presidente da República, endereçando "um abraço muito forte à família enlutada e a tantos amigos que hoje se despedem" da fadista.

Celeste Rodrigues, nascida no Fundão, em 14 de março de 1923, morreu hoje, aos 95 anos, confirmou à Lusa o neto Diogo Varela Silva.

Irmã de Amália Rodrigues, a fadista, que em maio disse à Lusa que "cantar é sempre uma alegria", iniciou a carreira há 73 anos e do seu repertório constam, entre outros temas, "A Lenda das Algas" e o "Fado das Queixas".

Ler mais

Exclusivos