O verão está para comédias românticas. A do Netflix chama-se "To All The Boys I've Loved Before"

Disponível desde sexta-feira, foi escrita por Jenny Han, uma escritora de origem coreana que insistiu em ter uma atriz de ascendência asiática no papel principal. Onde é que já vimos isto?

A plataforma Netflix pode ter perdido a batalha para ficar com os direitos de Crazy Rich Asians em 2013, mas encontrou uma resposta à altura do êxito desta comédia romântica. Outra comédia romântica. Chama-se To All the Boys I've Loved Before, A Todos os Rapazes que Amei, e ficou disponível na sexta-feira. Partilham género e a obstinação de entregar o papel de protagonista a uma atriz de origem asiática.

É uma bandeira que agora se agita com energia entre os produtores de cinema e televisão por estes dias. Da mesma forma que o escritor e produtor Kevin Kwan, autor de Crazy Rich Asians fez questão de manter a ascendência chinesa de Rachel Chu, a personagem principal da sua história, Jenny Han, autora de To All the Boys I've Loved Before (TATBILB), queria que Lara Jean, a sua protagonista filha de pai americana e mãe coreana, fosse uma atriz de origem asiática. Como ela própria.

De origem coreana e decidida a fornecer às novas gerações modelos que as inspirem como ela não teve, Jenny Han explicava-se num artigo publicado na sexta-feira no The New York Times, ao mesmo tempo que o filme ficava disponível no Netflix: "Mesmo antes do livro All The Boys I've Loved Before ser publicado havia interesse em fazer um filme. O interesse morreu assim que se tornou claro que a protagonista teria de ser uma ásio-americana, Um produtor disse-me que desde que a atriz capture o espírito da personagem, a idade e a raça não importam. Eu disse, bem, o espírito dela é ásio-americano. Foi o fim da conversa". Acrescenta: "O que teria representado para mim ver um rapariga como eu protagonizar um filme? (...) Não apenas uma vez, mas uma e outra vez? (...) Há poder em sair das periferias para o centro."

"Acabei por decidir trabalhar com a única produção que concordou que a personagem principal seria interpretada por uma atriz asiática. Mais ninguém o queria fazer. E, mesmo assim, sustive a respiração até as filmagens começarem, porque tinha medo que mudassem de ideias. Não o fizeram", refere Jenny Han no artigo do The New York Times. A atriz escolhida é Lana Condor, 21 anos, de origem vietnamita.

Prova superada também para Crazy Rich Asians, que se apresenta como o primeiro filme com um elenco 100% asiático em 25 anos. E como estrearam com apenas um dia de diferença, nos último dias, o assunto da subrepresentação dos asiáticos ganhou tanto destaque na imprensa norte-americana que a escritora decidiu referir-se a ele no Twitter.

De que trata este filme?

A história é a de uma miúda tímida, Lara Jean Covey, que escreve cartas de amor a todos os rapazes por quem esteve apaixonada e que mantém secretas. Até que, claro, deixam de o ser e chegam às mãos de todos os rapazes a quem se dirigem. Um deles, Peter Kavinsky, propõe que simulem uma relação que não existe.

Enquanto ela soluciona o problema com o rapaz por quem acreditar estar apaixonada, o príncipe encantado (intepretado pelo ator Noah Centineo, 22 anos e origem italiana) pode fazer ciúmes à ex-namorada e ex-melhor amiga de Lara Jean. O resto é história. Literalmente. Basta recordar Can't Buy Me Love (1987).

Um verão para comédias românticas

Após vários anos dedicados aos superheróis, o que os números e a crítica dizem é que o verão de 2018 tem sido das comédias românticas (rom-com, como lhes chamam os americanos). No mesmo verão em que Crazy Rich Asians se torna a comédia romântica mais vista em três anos e que Set it Up, lançada pelo Netflix em junho com assinalável êxito na liga dos tweets, retweets, topics e menções (o serviço de streaming não divulga dados oficiais), é possível dizer, como o Business Insider, que há sede de comédias românticas.

As críticas a All The Boys I've Loved Before são inflamadas, e genericamente, boas. 93% de aprovação no Rotten Tomatoes, um dado tão importante que o Business Insider usa em título.

Escreve, por outro lado, Olivia Craighead em The Fader, a propósito da feliz escolha para os papéis principais: "Estes filmes [comédias românticas] vivem e morrem por quão bons são os seus protagonistas. Lara Condor é uma delícia. Divertida e adorável, o tipo de rapariga que desejamos ser ou que pensámos ser na escola. O outro protagonista também é encantador e divertido com o bónus adicional de ser tão bom que podia bater-me com o carro que eu agradecia."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.