O verão está para comédias românticas. A do Netflix chama-se "To All The Boys I've Loved Before"

Disponível desde sexta-feira, foi escrita por Jenny Han, uma escritora de origem coreana que insistiu em ter uma atriz de ascendência asiática no papel principal. Onde é que já vimos isto?

A plataforma Netflix pode ter perdido a batalha para ficar com os direitos de Crazy Rich Asians em 2013, mas encontrou uma resposta à altura do êxito desta comédia romântica. Outra comédia romântica. Chama-se To All the Boys I've Loved Before, A Todos os Rapazes que Amei, e ficou disponível na sexta-feira. Partilham género e a obstinação de entregar o papel de protagonista a uma atriz de origem asiática.

É uma bandeira que agora se agita com energia entre os produtores de cinema e televisão por estes dias. Da mesma forma que o escritor e produtor Kevin Kwan, autor de Crazy Rich Asians fez questão de manter a ascendência chinesa de Rachel Chu, a personagem principal da sua história, Jenny Han, autora de To All the Boys I've Loved Before (TATBILB), queria que Lara Jean, a sua protagonista filha de pai americana e mãe coreana, fosse uma atriz de origem asiática. Como ela própria.

De origem coreana e decidida a fornecer às novas gerações modelos que as inspirem como ela não teve, Jenny Han explicava-se num artigo publicado na sexta-feira no The New York Times, ao mesmo tempo que o filme ficava disponível no Netflix: "Mesmo antes do livro All The Boys I've Loved Before ser publicado havia interesse em fazer um filme. O interesse morreu assim que se tornou claro que a protagonista teria de ser uma ásio-americana, Um produtor disse-me que desde que a atriz capture o espírito da personagem, a idade e a raça não importam. Eu disse, bem, o espírito dela é ásio-americano. Foi o fim da conversa". Acrescenta: "O que teria representado para mim ver um rapariga como eu protagonizar um filme? (...) Não apenas uma vez, mas uma e outra vez? (...) Há poder em sair das periferias para o centro."

"Acabei por decidir trabalhar com a única produção que concordou que a personagem principal seria interpretada por uma atriz asiática. Mais ninguém o queria fazer. E, mesmo assim, sustive a respiração até as filmagens começarem, porque tinha medo que mudassem de ideias. Não o fizeram", refere Jenny Han no artigo do The New York Times. A atriz escolhida é Lana Condor, 21 anos, de origem vietnamita.

Prova superada também para Crazy Rich Asians, que se apresenta como o primeiro filme com um elenco 100% asiático em 25 anos. E como estrearam com apenas um dia de diferença, nos último dias, o assunto da subrepresentação dos asiáticos ganhou tanto destaque na imprensa norte-americana que a escritora decidiu referir-se a ele no Twitter.

De que trata este filme?

A história é a de uma miúda tímida, Lara Jean Covey, que escreve cartas de amor a todos os rapazes por quem esteve apaixonada e que mantém secretas. Até que, claro, deixam de o ser e chegam às mãos de todos os rapazes a quem se dirigem. Um deles, Peter Kavinsky, propõe que simulem uma relação que não existe.

Enquanto ela soluciona o problema com o rapaz por quem acreditar estar apaixonada, o príncipe encantado (intepretado pelo ator Noah Centineo, 22 anos e origem italiana) pode fazer ciúmes à ex-namorada e ex-melhor amiga de Lara Jean. O resto é história. Literalmente. Basta recordar Can't Buy Me Love (1987).

Um verão para comédias românticas

Após vários anos dedicados aos superheróis, o que os números e a crítica dizem é que o verão de 2018 tem sido das comédias românticas (rom-com, como lhes chamam os americanos). No mesmo verão em que Crazy Rich Asians se torna a comédia romântica mais vista em três anos e que Set it Up, lançada pelo Netflix em junho com assinalável êxito na liga dos tweets, retweets, topics e menções (o serviço de streaming não divulga dados oficiais), é possível dizer, como o Business Insider, que há sede de comédias românticas.

As críticas a All The Boys I've Loved Before são inflamadas, e genericamente, boas. 93% de aprovação no Rotten Tomatoes, um dado tão importante que o Business Insider usa em título.

Escreve, por outro lado, Olivia Craighead em The Fader, a propósito da feliz escolha para os papéis principais: "Estes filmes [comédias românticas] vivem e morrem por quão bons são os seus protagonistas. Lara Condor é uma delícia. Divertida e adorável, o tipo de rapariga que desejamos ser ou que pensámos ser na escola. O outro protagonista também é encantador e divertido com o bónus adicional de ser tão bom que podia bater-me com o carro que eu agradecia."

Ler mais

Exclusivos