"O retorno a Fahrenheit 451 é essencial"

A sugestão de leitura para o mês de agosto de Carlos Moura, vereador do PCP em Lisboa, é Fahrenheit 451, de Ray Bradbury

Fahrenheit 451. É a temperatura a que os livros entram em combustão espontânea, o equivalente a 233 graus Celsius, que deu título ao livro de Ray Bradbury, que o vereador do PCP na Câmara de Lisboa, Carlos Moura, elege como a sugestão de verão.

"Não é por estar calor. Não é por ser verão. Não é por falar de chamas. Volto a Bradbury e a Fahrenheit 451. Volto pela simples razão que revisito de tempos a tempos os temas que me causam inquietação", diz ao DN, sobre o livro que haveria de dar um filme de François Truffaut, em 1966.

Relato de um futuro distópico em que os bombeiros queimam livros para silenciar ideias, numa sociedade em que o pensamento próprio é suprimido e a tecnologia é um instrumento de normalização das ideias, Fahrenheit 451 foi originalmente publicado em 1953, em pleno Macartismo. Mas Carlos Moura encontra-lhe muitos traços de atualidade, traços que passam pela caracterização das personagens, como Mildred - mulher de Montag [a personagem principal] - e a sua tentativa de suicídio que se contextualiza no vácuo da sua vida, ou na descrição de uma normalidade que se faz de impressões em que tudo parece normal, quando nada o é": "Numa sociedade que promove a facilidade da imagem, no que tem de simples mas também de estupidificante, que espelha e espalha a imagem de uma felicidade costurada à fugacidade de um qualquer prazer hedonista, o retorno à palavra escrita, a Bradbury, o retorno a Fahrenheit 451 é essencial".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.