Norte-americanos Tool atuam a 2 de julho em Lisboa

A banda vai atuar na Altice Arena, em Lisboa

Os norte-americanos Tool regressam a Portugal no próximo ano, para um concerto em Lisboa em julho, no âmbito de uma digressão europeia que arranca em junho em Berlim, foi anunciado esta terça-feira.

Os Tool têm concerto marcado para 2 de julho na Altice Arena, em Lisboa, encerrando a digressão no mesmo local onde atuaram em novembro de 2006, de acordo com informação divulgada hoje no 'site' oficial da banda.

A banda deverá apresentar nessa altura temas do novo disco, a ser editado no próximo ano.

Os bilhetes vão ser postos à venda na quinta-feira, a partir das 10:00.

Os Tool formaram-se em 1990 em Los Angeles, nos Estados Unidos. O disco de estreia da banda, "Undertow", foi editado em 1993 e o álbum mais recente, "10.000 Days", data de 2006.

Pelo meio, editaram "AEnima", em 1996, e "Lateralus", em 2001.

"Espectáculo cénico transcendente e intimista"

A digressão europeia dos Tool começa a 2 de junho em Berlim e passará ainda por cidades como Praga, Viena, Florença, em Itália, Copenhaga e Madrid.

A banda é formada por Maynard James Keenan (voz), Adam Jones (guitarra), Danny Carey (bateria) e Justin Chancellor (baixo).

De acordo com a Everything is New, os fãs portugueses da banda "terão a oportunidade de assistir ao vivo a um espectáculo cénico transcendente e intimista, cujo ambiente irá criar uma incrível experiência com os Tool"

No site, a promotora divulgou os preços dos bilhetes:

Golden Circle: 65 euros

Plateia em pé: 50 euros

Balcão 1: 59 euros

Balcão 2: 42 euros

Mobilidade condicionada: 42 euros

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?