Pela primeira vez há uma novela gráfica entre os nomeados para o Booker

Foram anunciados os 13 livros nomeados para o prémio literário Man Booker. Entre eles, "Sabrina", de Nick Drnaso.

Em comunicado, a organização referiu que entre os 13 nomeados está Sabrina, do cartoonista norte-americano Nick Drnaso, que marca a estreia das novelas gráficas nas listas de candidatos a um dos principais prémios literários da língua inglesa, ao fim de 50 anos de história.

Na sua segunda novela gráfica, o autor começa por nos contar o desaparecimento de Sabrina e o modo como este afeta a irmã Sandra e o namorado Teddy. O que acontece quando aquele que amamos é vítima de um crime violento? - essa é a questão que atravessa este livro, a que a escritora Zadie Smith chamou "uma obra prima". O problema das fake news, o isolamento provocado pela era digital, o controlo de armas são outros assuntos contemporâneos abordados pelo autor, cartoonista e ilustrador que mora em Chicago e ainda não tem 30 anos (nasceu em 1989). O seu primeiro livro, Beverly, ganhou o prémio de Melhor Novela Gráfica do LA Times. Este ano, com Sabrina, já ganhou o Prémio Revelação do Festival de Angoulême, em França. O júri do Man Booker disse tratar-se de uma obra "oblíqua, subtil e minimal".

O júri selecionou 13 nomeados de um total de 171 obras, de onde se destaca o nome de Michael Ondaatje, com o seu mais recente Warlight, dias depois de o autor ter sido distinguido com o prémio Booker "dourado", atribuído ao melhor premiado de todas as edições do galardão. De uma lista com seis autores do Reino Unido, três dos Estados Unidos e dois da Irlanda e do Canadá, constam ainda a canadiana Esi Edugyan, com Washington Black, o irlandês Donal Ryan, com From A Low and Quiet Sea, o norte-americano Richard Powers, com The Overstory, e a também norte-americana Rachel Kushner, com The Mars Room.

A lista dos nomeados é completada com Snap, de Belinda Bauer, Milkman, de Anna Burns, In Our Mad And Furious City, de Guy Gunaratne, Everything Under, de Daisy Johnson, The Water Cure, de Sophie Mackintosh, The Long Take, de Robin Robertson, e Normal People, de Sally Rooney.

Quatro dos livros são primeiras obras e quatro autores nomeados têm menos de 30 anos, realça a organização do prémio, havendo um autor já vencedor do Booker (Ondaatje, que o ganhou em 1992 com "O Doente Inglês") e três anteriores nomeados entre os candidatos deste ano.

O júri é composto pelo filósofo Kwame Anthony Appiah, pela escritora Val McDermid, pelo crítico Leo Robson, pela escritora Jacqueline Rose e pela artista Leanne Shapton. "Todos estes livros - que abordam a escravatura, ecologia, desaparecidos, violência urbana, amor jovem, prisões, trauma e raça - retratam algo sobre um mundo na berlinda. Entre as suas muitas qualidades está uma vontade de correr riscos com a forma", afirmou o presidente do júri, Kwame Anthony Appiah .

O Man Booker é um prémio literário atribuído todos os anos ao melhor livro de ficção escrito originalmente em inglês e publicado no Reino Unido. O vencedor recebe 50 mil libras (cerca de 56 mil euros). Os seis finalistas do prémio Man Booker deste ano vão ser anunciados no dia 20 de setembro e o vencedor atribuído no dia 16 de outubro, em Londres.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.