Nem a maçonaria na Madeira escapa ao primeiro romance de Alberto João Jardim

O ex-dono de toda a Madeira deixou-se de memórias e passou à ficção. Mesmo que o romance de Alberto João Jardim, diz "Não!", seja em muito um voltar ao passado e sempre com a sua vivência histórica em pano de fundo.

A porta aberta que está na capa do romance de estreia de Alberto João Jardim fala diretamente para a ação de um grupo de jovens madeirenses que vê a sua vida voltada do avesso com a Revolução de Abril e a obrigação do ativismo político. O primeiro romance do ex-Presidente do Governo Regional da Madeira, diz "Não!", já chegou às livrarias e é uma narrativa inesperada para quem faz parte da História e agora quer contar histórias.

Começa em tom de thriller, com uma reunião no Foreign Office em Londres no início dos anos 70, em que se discute a presença inglesa na Madeira em caso de uma mudança política em Portugal. Segue-se uma descrição dos vários personagens que vão entrar em cena. A partir daí, é impossível ao leitor não estar à procura de encontrar a presença do autor na narrativa.

Ler diz "Não!" exige que se esqueça a 'anterior profissão' do autor e que se goste de intriga política. É disso que o livro é feito e ninguém melhor que João Jardim para relatar os picantes, as traições, as fake news e os eventos da atividade política nacional das últimas décadas.

João Jardim usa a técnica de pequenos capítulos para introduzir inúmeros temas, destacando o poder da maçonaria na ilha desde o início da ditadura a 28 de Maio de 1926, que é dissecado em mais páginas do que outros temas no resto do livro, justifica a criação de um partido que defenda os interesses regionais, refere os partidos criados ou com vida prolongada pela democracia, enumera os desvios históricos que o regime constitucional iniciado em 1976 provoca na região, faz previsões para 2019 e mais à frente, tem uma fixação no sindicalismo...

A voz do autor está bem presente a nível político, basta ler certas frases: "O PSD estava manietado pela incompetência e a infiltração internas", "a comunicação social afeta desdobrava-se em quotidianos orgasmos" ou "Tudo era o que Lisboa queria e decidia". Mesmo que logo a seguir a ficção regresse em força com o personagem Teddy Rotter afastado em Londres, com Carlos e Joana a criticarem o seu papel de pais, a beleza de Carmelinda nos seus passos de "marcialidade estética".

No final, em várias páginas, está um dicionário de "palavras do linguajar madeirense" para facilitar a leitura. Mas antes de se lá chegar, João Jardim não deixa de dourar a pílula da sua primeira experiência literária com uma última frase romântica: "Nessa noite fizeram amor pela primeira vez".

diz "Não!"

Alberto João Jardim

Editora Casa das Letras

418 páginas

O livro é apresentado esta sexta-feira no Museu da Imprensa da Madeira, em Câmara de Lobos, pelas 17.00

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.