Neil Gaiman e Murakami entre os finalistas ao Nobel alternativo

Vencedor será anunciado a 12 de outubro. Irá decorrer uma cerimónia formal para a entrega do prémio a 09 de dezembro, e posteriormente a Nova Academia será dissolvida

Os escritores Haruki Murakami, Kim Thúy, Maryse Condé e Neil Gaiman são os quatro finalistas ao prémio alternativo ao Nobel da Literatura, anunciou esta quarta-feira a Nova Academia, responsável pela iniciativa.

Os quatro escritores que estão agora na corrida final para o Prémio de Literatura da Nova Academia, criado como protesto contra o cancelamento do Prémio Nobel, foram votados pelo público, a partir de uma lista de 47 autores de todo o mundo, nomeados por bibliotecários suecos.

A votação abriu ao público, no site da Nova Academia, em julho e encerrou no dia 14 de agosto, tendo sido definido desde o início que dois dos finalistas seriam mulheres e os outros dois seriam homens.

O escritor inglês Neil Gaiman, residente nos Estados Unidos, iniciou a carreira como jornalista, mas acabaria por abandonar a profissão, após conhecer o sucesso como autor de novelas gráficas, como é o caso de "The Sandman", uma série publicada pela Vertigo que o transformou num autor de culto.

Neil Gaiman recebeu vários prémios internacionais e é autor de obras como "Coraline", "The Graveyard Book" ("A Estranha Vida de Nobody Owens") e "The Ocean at the End of the Lane" ("O oceano no fim do caminho").

O japonês Haruki Murakami, igualmente finalista, é conhecido literariamente por fundir a cultura pop com um forte realismo mágico, sendo um autor multipremiado e que já foi várias vezes apontado como candidato ao Prémio Nobel.

Entre a sua obra contam-se livros como "Norwegian Wood", "The Wind-Up Bird Chronicle" ("Crónica do Pássaro de Corda"), "Kafka on the Shore" ("Kafka à beira-mar") e "IQ84".

Quanto às finalistas, a vietnamita Kim Thúy -- que cresceu no Canadá, após ter abandonado o seu país como refugiada aos 10 anos -- é conhecida pelas "histórias curtas e elegantes" sobre a condição de refugiado e de imigrante, bem como pelas cores, aromas e sabores que emanam das suas histórias sobre o Vietname, sem ocultar os perigos do exílio e a busca de identidade.

"Ru" (publicado em Portugal pela Alfaguara), "Man", "Vi" estão entre as obras selecionadas pela Nova Academia.

A quarta finalista é a escritora francesa Maryse Condé, feminista e ativista, vive nos Estados Unidos e é considerada uma das autoras mais destacadas das Caraíbas, tendo escrito cerca de 20 romances e recebido vários prémios de prestígio.

Conhecida como uma das mais importantes difusoras da cultura africana nas Caraíbas, Maryse Condé descreveu como o colonialismo mudou o mundo e como os que são afetados retomam a sua herança.

"Desirada", "Segu", "Crossing the Mangrove" e "Who Slashed Celanire's Throat?" são algumas das obras que escreveu, sem qualquer edição em Portugal.

A Nova Academia foi fundada este ano, por várias figuras culturais suecas, entre as quais jornalistas e autores, como forma de protesto ao cancelamento do Prémio Nobel por parte da Academia Sueca.

O vencedor será anunciado em 12 de outubro e irá haver uma cerimónia formal para entrega do prémio no dia 09 de dezembro.

A Nova Academia será dissolvida após a cerimónia formal em dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.