Música eletrónica a partir de hoje no Parque Eduardo VII com festival LISB-ON

St Germain, Maceo Plex e Mr. Fingers atuam no festival LISB-ON, que começa esta sexta-feira no Parque Eduardo VII

O Parque Eduardo VII volta esta sexta-feira, e durante três dias, a ser uma pista de dança a céu aberto com a 5.ª edição do festival LISB-ON, com um cartaz que inclui St Germain, Maceo Plex e Mr. Fingers.

O festival apresenta um cartaz com cerca de 30 atuações, entre concertos e DJ 'sets', "em que a diversidade e qualidade da programação musical são palavras de ordem - entre o chill out e o techno, sempre atento ao disco, house, jazz, soul, funk ou pop eletrónica".

Hoje, o "jardim sonoro" recebe Rodhad, Radio Slave, Michael Mayer, Todd Terje, HNRQ (no palco principal), Antal, Jayda G, Sassy J, St. Joseph e John Player Special (no palco secundário).

Para sábado estão marcadas as atuações de Maceo Plex, St Germain, Vakula, Pedro Tenreiro & João Tenreiro (no palco principal), Tama Sumo, Young Marco, Lakuti, Toze Diogo e Gonçalo Siopa (no palco secundário).

No domingo, atuam Kerri Chandler, Larry Heard (Mr. Fingers), Mr. Scruff, Daniele Baldelli, Liamba (no palco principal), Margaret Dygas, Daniel Bell, Titonton Duvante, João Maria e Diogo Lacerda (no palco secundário).

Assente num conceito que "pretende trazer a festa para a luz do dia", no LIS-BON as atuações iniciam-se pelas 14:00 e estendem-se até cerca das 00:00.

Nesta edição, a organização volta a apoiar a Casa dos Animais de Lisboa, "através de uma percentagem das receitas do evento".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.