Museus britânicos querem ficar com o bebé Trump

Museu britânico, museu de Londres e o Bishopsgate Institute estão interessados em ter um exemplar do balão Trump nas suas coleções.

A associação portuguesa Ephemera lançou o apelo no Facebook para recolher imagens dos protestos em Londres, durante a visita de Donald Trump. Mas há quem vá mais longe.

Pelo menos três instituições britânicas querem juntar ao seu acervo um Trump Baby, o balão que voou nos céus de Londres durante as manifestações contra o presidente norte-americano durante a sua visita à capital do Reino Unido, como conta o The New York Times.

Museu Britânico, Museu de Londres e o Bishopsgate Institute mostraram interesse no balão, um objeto com cerca de seis metros de altura.

O museu da cidade e o Bishopsgate Institute admitem dificuldades para mostrar o balão, sem terem exatamente como expô-lo de forma permanente, enquanto o Museu Britânico se propõe mostrá-lo já em setembro numa exposição dedicada à história da dissidência e protesto.

O Museu do Design reconhece que se trata de um "importante momento de protesto", numa declaração citada pelo jornal norte-americano.

Em qualquer caso, "uma conversa interessante para ter", segundo a diretora do Museu de Londres, Sharon Ament.

Victoria & Albert dispensam

Entre os museus ouvidos pelo The New York Times, o Victoria & Albert disse que não está interessado. Uma curadora rejeitou que o balão tivesse lugar nas coleções da instituição, apesar de algumas pessoas o terem sugerido. Explica que o museu, onde existe uma unidade de resposta rápida, se limita a receber os objetos que são importantes pelo seu design. E, embora o balão Trump Baby seja um bom objeto de protesto, "não é o seu design que levanta estas questões.

Bebé Trump é uma criação de um grupo de ativistas ingleses

De fraldas e telemóvel na mão, Trump Baby circulou junto ao Parlamento com autorização do mayor da cidade, Sadiq Khan. A câmara entendeu que a Câmara fez uma declaração dizendo "apoiar o direito a um protesto pacífico e entender que isto pode ser feito de muitas formas".

Trata-se de uma criação de um grupo de ativistas políticos que amealharam 18 mil euros para conseguir ter o balão no ar.

E, para já, ainda não é certo que o balão vá mesmo para um museu. "Temos de nos sentar e conversar sobre o que vai acontecer ao Trump Baby no final", disse Kevin Smith, um dos ativistas deste grupo que se chama a si mesmo Trump Babysitters. "Não descartamos a hipótese de que termine num museu, mas a prioridade agora mesmo é que faça o máximo de quilómetros possível numa digressão global aborrecendo Trump e as políticas de ódio e divisão que ele representa", disse, citado pela Artnet. Porque a intenção primordial é que apareça em todos os locais onde o presidente norte-americano está.

Portuguesa Ephemera quer registar os acontecimentos

Em Portugal, a associação Ephemera, liderada pelo historiador Pacheco Pereira, de imediato se interessou pelos protestos. Via Facebook, como tem sido hábito, lançou o apelo. "Precisamos de cobrir a semana de protestos anti-Trump, do balão às paredes e às ruas. Keep calm and make pictures of everything...".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.