Museu PO.RO.S em Condeixa-a-Nova atinge 22 mil visitantes e é nomeado para prémio europeu

Espaço permite aos visitantes interagirem com ambientes virtuais de Portugal no tempo da época romana

Mais de 22 mil pessoas já visitaram o PO.RO.S - Museu Portugal Romano em Sicó, Condeixa-a-Nova, nomeado para os prémios 'Heritage in Motion 2018', atribuídos conjuntamente pela Academia Europeia de Museus, Europa Nostra e Europeana, foi esta sexta-feira revelado.

Inaugurado em Condeixa-a-Nova, em maio de 2017, o PO.RO.S - Portugal Romano é um espaço museológico que permite ao visitante "experimentar e interagir com ambientes virtuais da época romana", ajudando a recriar o modo de vida da vizinha Conímbriga, uma das maiores povoações do Império Romano em Portugal.

Em pouco mais de um ano de funcionamento, o museu recebeu mais de 22 mil visitantes, afirmando-se como "um importante recurso complementar" a uma visita às ruínas de Conímbriga, permitindo ao visitante melhor compreender aquela época, através de inovadores sistemas multimédia

A nomeação para os 'Heritage in Motion 2018', anunciada hoje pela autarquia num comunicado enviado à agência Lusa, é encarada pelos responsáveis do museu como um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido em pouco mais de um ano.

A competição distingue os melhores projetos multimédia que mostram, de forma criativa e inovadora, a herança cultural da Europa, "chamando a atenção para o valor do património cultural e natural, tangível e intangível". Os prémios serão entregues em cerimónia marcada para dia 21, em Aarhus, na Dinamarca.

"É uma honra para o município de Condeixa estar entre os finalistas desta competição, onde só os melhores têm lugar. Não podíamos estar mais orgulhosos pelo reconhecimento europeu da marca inovadora que quisemos dar ao Museu POROS, um dos mais vanguardistas e tecnológicos museus do país", afirma Nuno Moita, presidente da Câmara Municipal de Condeixa.

O autarca espera que a nomeação ajude "a conseguir atrair a atenção de todos os agentes culturais e turísticos regionais e nacionais, para a necessidade de trabalhar em conjunto na dinamização e promoção contínua do Museu PO.RO.S e do Eixo da Romanização, dois dos ativos mais importantes da região".

Os projetos escolhidos pelo júri dos Prémios 'Heritage in Motion 2018' para fazer parte da 'shortlist' da qual sairão os vencedores foram o de "Aplicações e Experiências Interativas" e "Filme e Vídeo" desenvolvidos para o Museu PO.RO.S.

"Os novos desenvolvimentos em tecnologia multimédia desempenham um papel vital na disponibilização do património cultural aos cidadãos europeus. Os prémios 'Heritage in Motion' celebram os projetos europeus mais inovadores neste domínio", assinala a organização da competição europeia.

Os projetos agora nomeados, nomeadamente as instalações interativas de que dispõe aquele museu, foram idealizadas e desenvolvidas em parceria pelos profissionais da Glorybox e M&A Digital.

Para a categoria "Filme e Vídeo" está nomeado o documentário "Romanização, Governo e Território" produzido pela empresa Quecena para o Museu PO.RO.S - Portugal Romano em Terras de Sicó.

"Esta não é a primeira vez que o PO.RO.S é destacado enquanto projeto inovador. No mês de maio, o Museu Portugal Romano em Sicó foi distinguido pela Associação Portuguesa de Museologia com o primeiro prémio na categoria de 'Aplicação de Gestão e Multimédia", esclarece o município de Condeixa-a-Nova, no distrito de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.