Museu PO.RO.S em Condeixa-a-Nova atinge 22 mil visitantes e é nomeado para prémio europeu

Espaço permite aos visitantes interagirem com ambientes virtuais de Portugal no tempo da época romana

Mais de 22 mil pessoas já visitaram o PO.RO.S - Museu Portugal Romano em Sicó, Condeixa-a-Nova, nomeado para os prémios 'Heritage in Motion 2018', atribuídos conjuntamente pela Academia Europeia de Museus, Europa Nostra e Europeana, foi esta sexta-feira revelado.

Inaugurado em Condeixa-a-Nova, em maio de 2017, o PO.RO.S - Portugal Romano é um espaço museológico que permite ao visitante "experimentar e interagir com ambientes virtuais da época romana", ajudando a recriar o modo de vida da vizinha Conímbriga, uma das maiores povoações do Império Romano em Portugal.

Em pouco mais de um ano de funcionamento, o museu recebeu mais de 22 mil visitantes, afirmando-se como "um importante recurso complementar" a uma visita às ruínas de Conímbriga, permitindo ao visitante melhor compreender aquela época, através de inovadores sistemas multimédia

A nomeação para os 'Heritage in Motion 2018', anunciada hoje pela autarquia num comunicado enviado à agência Lusa, é encarada pelos responsáveis do museu como um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido em pouco mais de um ano.

A competição distingue os melhores projetos multimédia que mostram, de forma criativa e inovadora, a herança cultural da Europa, "chamando a atenção para o valor do património cultural e natural, tangível e intangível". Os prémios serão entregues em cerimónia marcada para dia 21, em Aarhus, na Dinamarca.

"É uma honra para o município de Condeixa estar entre os finalistas desta competição, onde só os melhores têm lugar. Não podíamos estar mais orgulhosos pelo reconhecimento europeu da marca inovadora que quisemos dar ao Museu POROS, um dos mais vanguardistas e tecnológicos museus do país", afirma Nuno Moita, presidente da Câmara Municipal de Condeixa.

O autarca espera que a nomeação ajude "a conseguir atrair a atenção de todos os agentes culturais e turísticos regionais e nacionais, para a necessidade de trabalhar em conjunto na dinamização e promoção contínua do Museu PO.RO.S e do Eixo da Romanização, dois dos ativos mais importantes da região".

Os projetos escolhidos pelo júri dos Prémios 'Heritage in Motion 2018' para fazer parte da 'shortlist' da qual sairão os vencedores foram o de "Aplicações e Experiências Interativas" e "Filme e Vídeo" desenvolvidos para o Museu PO.RO.S.

"Os novos desenvolvimentos em tecnologia multimédia desempenham um papel vital na disponibilização do património cultural aos cidadãos europeus. Os prémios 'Heritage in Motion' celebram os projetos europeus mais inovadores neste domínio", assinala a organização da competição europeia.

Os projetos agora nomeados, nomeadamente as instalações interativas de que dispõe aquele museu, foram idealizadas e desenvolvidas em parceria pelos profissionais da Glorybox e M&A Digital.

Para a categoria "Filme e Vídeo" está nomeado o documentário "Romanização, Governo e Território" produzido pela empresa Quecena para o Museu PO.RO.S - Portugal Romano em Terras de Sicó.

"Esta não é a primeira vez que o PO.RO.S é destacado enquanto projeto inovador. No mês de maio, o Museu Portugal Romano em Sicó foi distinguido pela Associação Portuguesa de Museologia com o primeiro prémio na categoria de 'Aplicação de Gestão e Multimédia", esclarece o município de Condeixa-a-Nova, no distrito de Coimbra.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.