Murakami torna-se DJ e revela as suas músicas preferidas

São muitos os leitores de Haruki Murakami em Portugal e estes sabem como o japonês gosta de música. Se quiser saber quais as suas preferidas basta ouvir o programa de rádio em que vai participar a partir de 5 de agosto.

O escritor japonês Haruki Murakami anunciou que vai ser DJ na estação de rádio que tem o seu nome. Duas perguntas vêm à cabeça imediatamente: Murakami vai deixar de escrever? Murakami regressa às suas paixões musicais da juventude?

A resposta é não à primeira e sim à segunda. Está tudo explicado no site oficial da rádio, mesmo que para 99,99% dos seus leitores portugueses nem valha a pena visitar porque Haruki Murakami DJ Radio está todo em japonês!

O que se passa é que no próximo dia 5 o escritor vai pôr música durante os 55 minutos de duração do seu programa, intitulado Run & Songs - duas das suas paixões, maratona e música - e durante esse período de tempo contará histórias sobre as suas preferências musicais, literárias e maratonas.

O programa, revela o jornal japonês Asahi Shimbun, que vende muitos milhões de exemplares, será retransmitido por 38 estações de rádio locais e será gravado com antecedência.

Os temas musicais que serão ouvidos pertencem à sua coleção particular, onde não faltam discos de todos os géneros, principalmente de jazz, aqueles que povoaram o seu final de adolescência. Recorde-se que antes de se tornar o escritor extremamente popular no seu país após a publicação do romance Norwegian Wood, o título de uma canção dos Beatles, era proprietário de um café - Peter Cat - onde o jazz imperava como música de fundo.

Além das faixas desses discos, Murakami vai também colocar algumas do iPod que usa enquanto corre. Afinal, Murakami é um grande fã de maratonas e até já publicou um livro com a descrição dos seus treinos e corridas que faz por todo o mundo.

Uma promessa já Murakami fez, a de ser muito seletivo e partilhar as músicas de que mais gosta: "Quero que o programa tenha o tom mais pessoal possível e por isso só vou escolher as minhas canções favoritas." Há ainda um bónus, Murakami responderá a algumas perguntas dos ouvintes.

Se quiser ouvir e participar aqui vai o endereço: http://www.tfm.co.jp/murakamiradio/ Mais uma vez, avisa-se, é preciso saber japonês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.