Mulher que arrematou obra destruída de Banksy vai avançar com a compra

A obra será ainda novamente exposta em Londres, antes de ir para as mãos da compradora.

No início de outubro, Banksy voltou a surpreender o mundo ao fazer com que uma cópia em tela das suas obras mais célebres, "Girl With Balloon", se autodestruísse no momento em que foi leiloada, em Londres. Apesar de parcialmente destruída, de acordo com o The Guardian, a compradora que na altura arrematou a obra por 1,042 milhões de libras (1,2 milhões de euros) confirmou esta quinta-feira que tenciona prosseguir com a aquisição da obra.

O espetáculo ganhou espetadores à escala global. A nova obra de Banksy era, afinal, a autodestruição de uma outra e ninguém estava preparado para a surpresa. A mulher que tinha adquirido o quadro, uma colecionadora europeia, acredita que o eco dessa surpresa que se gerou a nível mundial fez crescer ainda mais o valor do trabalho que entretanto ganhou um novo título: "Love is in the Bin", certificado pela Pest Control, órgão de autenticação da Banksy.

"Quando o martelo caiu na semana passada e o trabalho foi triturado, fiquei chocada a princípio, mas gradualmente comecei a perceber que acabaria com a minha própria história da arte", disse.

Foi na margem sul de Londres que "Girl With Balloon" foi avistado pela primeira vez, com a mensagem "sempre há esperança". Nela, pode ver-se uma criança a tentar alcançar um balão em forma de coração. Como todos os trabalhos de Banksy, que representam uma sátira social, vários críticos de arte dizem tratar-se de uma obra que critica uma sociedade que exige que as crianças cresçam demasiado cedo.

Apesar de ser uma figura reconhecida no mundo artístico, ainda não se conhece a identidade de Banksy.

Ainda segundo o The Guardian, a galeria Sotheby's, onde foi leiloado o quadro do artista, confirmou que o mesmo estará exposto em Londres, antes de ser entregue à compradora, nos dias 13 e 14 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.