Morreu V.S. Naipaul, Nobel da Literatura

Vencedor do prémio em 2001 morreu este sábado em Londres, aos 85 anos. Notícia avançada pela família

O escritor britânico V.S. Naipaul, vencedor do Prémio Nobel da Literatura em 2001, morreu este sábado na sua casa em Londres, aos 85 anos.

A notícia foi adiantada pela família, em comunicado. "Ele foi gigante em tudo o que conseguiu e faleceu rodeado por aqueles que ele amou, tendo vivido uma vida cheia de incrível criatividade e esforço", afirmou a esposa, Nadira Naipaul, em declarações reproduzidas pela BBC.

Natural de Trindade, em Trindade e Tobago, nas Caraíbas, publicou mais de 30 livros em mais de cinco décadas, desde comédias românticas passadas no país natal a memórias e diários de viagens.

O seu romance de 1961, Uma Casa para o Sr. Biswas, é vista por muito críticos por muitos críticos como um dos seus mais importantes trabalhos. Trata-se da história de um indivíduo de Trindade e Tobago com origens indianas que luta constantemente pelo sucesso e fracassa na maioria das vezes. Meio século depois, foi distinguido com o Nobel "por ter unido uma narrativa percetível e um escrutínio incorruptível em obras que nos obrigam a ver a presença de histórias suprimidas".

Naipaul nasceu em Chaguanas, Trinidad, e tinha seis anos quando a sua família se mudou para a capital do país, Port of Spain. Em 1948, ganhou uma bolsa do governo para ser Leitor de Inglês na Universidade de Oxford - onde sofreu um colapso nervoso -, e onze anos depois escreveu o seu primeiro romance, titulado de Miguel Street.

O seu primeiro casamento foi com Patricia Hale, que conheceu em Oxford, em 1955. No entanto, a sua mulher morreu em 1996 e, pouco depois, Naipaul casou-se com Lady Nadira, 20 anos mais nova que ele.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.