Morna de Cabo Verde a bordo de voo da TAP

Músicos do espetáculo "De Lira com Morna" vão animar os passageiros do voo 1553 amanhã, dia 2 de setembro

Amanhã, 2 de setembro, o voo 1553 da TAP, entre Lisboa e Mindelo, na ilha de São Vicente, em Cabo Verde, vai ter um ritmo muito especial. Isto porque os passageiros irão viajar ao som de mornas tocadas ao vivo por um grupo de músicos cabo-verdianos.

Os artistas fazem parte do elenco do espetáculo "De Lira com Morna", que junta música e artes circenses. Será apresentado na mesma ilha, a 7 e 8 de setembro, e tem encenação de Pascoal Furtado e direção musical de Heloisa Monteiro. "De Lira com Morna" conta ainda com alto patrocínio da Presidência da República de Cabo Verde, no ano em que o governo cabo-verdiano entregou na UNESCO a candidatura da morna, o género musical mais emblemático do país, a Património Imaterial da Humanidade, esperando conhecer a decisão em dezembro de 2019.

Cabo Verde contou inclusivamente com o apoio de Portugal em todo o processo, com Paulo Lima, especialista na elaboração de processos de candidatura a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO. Paulo Lima, também investigador da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esteve envolvido nas candidaturas portuguesas ganhadoras do fado, cante alentejano e arte do chocalho.

À chegada ao aeroporto Cesária Évora, o grupo, no qual se inclui o conceituado guitarrista Armando Tito, vai tocar uma morna.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.