Maryline que não é Marilyn

A jovem Maryline quer ser actriz, mas falta-lhe a energia para se expor ao olhar dos outros - o francês Guillaume Gallienne filma as atribulações da difícil arte de representar

O novo filme do actor/realizador Guillaume Gallienne intitula-se Maryline . Assim mesmo, escrito à francesa, não como Marilyn Monroe. Acontece que a personagem central, uma jovem nascida numa zona rural, recebeu o nome como uma homenagem à musa de Hollywood, embora não pareça poder ter um destino mítico da mesma dimensão...

Apesar disso... Digamos que o filme é mesmo sobre esse "apesar disso". Que é como quem diz: na sequência da morte do pai, desesperada por uma existência de monótonas rotinas, Maryline decide tentar a sua sorte como actriz - e rumar a Paris.

Vale a pena recordar que Gallienne se estreou na realização com A Mamã, os Rapazes e Eu! (2013), comédia sobre uma turbulenta crise de identidade a que era inevitável atribuir alguma perversidade autobiográfica, quanto mais não fosse porque ele próprio assumia a personagem central, de nome Guillaume (!), interpretando também a sua... mãe.

Agora, a ligeireza caricatural das cenas de abertura não deixa pressentir a amargura dramática que vai pontuar vários momentos da trajectória de Maryline. Porque, afinal, o desejo de ser actriz não encontra correspondência na sua versatilidade, quer perante uma câmara de filmar, quer no espaço cruel do palco. Gallienne encena, assim, um velho e fascinante imbróglio: há uma diferença, de uma só vez material e espiritual, entre querer representar e saber criar uma personagem alternativa.

O filme ressente-se da sua indecisão: trata-se de fazer um retrato burlesco de um corpo à deriva ou de construir um conto moral sobre o ser ou não ser actriz? Seja como for, em alguns momentos perpassa por Maryline essa ambivalência primordial que pode levar um ser humano a descobrir-se através da mais nobre arte da simulação. Destaque obrigatório vai para Adeline D"Hermy, a enigmática intérprete de Maryline que, tal como Gallienne, integra o elenco da Comédie Française.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.