Louis C.K. regressa ao palco com uma ovação após escândalo sexual

O comediante afastou-se da ribalta depois de ter sido acusado de se masturbar em frente a colegas.

Tinha prometido não regressar à ribalta, depois de ter admitido as acusações de assédio sexual, mas a cara de Saturday Night Live está de volta à comédia. De acordo com o The New York Times, este domingo Louis C.K. fez uma aparição surpresa no espetáculo New York"s Comedy Cellar, num clube norte-americano e foi recebido com uma ovação.

Entre referências a racismo e dicas para os empregados de mesa, fez uma exibição de 15 minutos que Noam Dworman, dono do Greenwich Village club, diz ter sido "típico Louis C.K.". E foi de tal forma que o responsável do espaço ficou convencido que poderia estar a testemunhar o início de uma nova era para Louis C.K.. "Parecia que ele estava a testar novo material, quase como todas as vezes nos últimos dez anos em que ele cá vinha antes do início de algum novo ato", explica.

Mo Amer, um outro comediante presente no clube nova-iorquino, foi surpreendido com a chegada de Louis ao palco. Descreve a exibição do ator como um momento "wow", de surpresa, para o público de 115 pessoas, que lhe respondeu com uma ovação.

É um regresso inesperado depois do escândalo sexual em que se envolveu em 2017. O ator, comediante e argumentista norte-americano foi acusado de se masturbar à frente de colegas - entre elas Dana Min Goodman e Julia Wolov, também comediantes. Depois de confirmar as acusações, explicou que iria, inclusive, afastar-se do olhar público.

Louis C.K. conta já com vários Emmys e uma longa carreira no stand up e na televisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.