Jovem que acusa Asia Argento de abuso quebra silêncio

Jimmy Bennett disse ao New York Times que tinha medo e vergonha de falar publicamente sobre o caso

O ator que acusou a atriz e realizadora italiana de ter abusado sexualmente dele num encontro num quarto de hotel na Califórnia, em 2013 - numa altura em que Bennett tinha 17 anos e Argento 37 -, falou pela primeira vez sobre o caso nesta quarta-feira, em declarações ao jornal New York Times, o mesmo jornal que revelou a história.

Bennett disse que só agora aborda publicamente o caso, porque "tinha vergonha e estava com medo das reações". Num depoimento enviado ao jornal, o ator lembrou que "era menor quando o caso sucedeu" e, a propósito das notícias de que tentou chegar a um acordo financeiro com a atriz, disse que procurou "justiça de uma forma que fizesse sentido na altura, porque não estava preparado para lidar com as consequências de a história se tornar pública".

"Naquela altura, acreditei que haveria ainda o estigma de ter vivido aquela situação enquanto homem. Achei que as pessoas não iriam compreender aquilo que aconteceu na versão de um adolescente", acrescentou Jimmy Bennett.

Recorde-se que Asia Argento,de 42 anos, foi uma das primeiras mulheres a dar voz ao movimento #MeToo, tendo revelado que foi violada pelo produtor Harvey Weinstein. De acordo com o que o New York Times divulgou esta semana, a atriz terá pago 380 mil dólares ao jovem ator pelo seu silêncio sobre o encontro sexual. Argento alega que foi o seu namorado de então, o falecido chefe Anthony Bourdain, a efetuar o pagamento para evitar "má imprensa".

Jimmy Bennett, atualmente com 22 anos, disse ainda ao jornal que o papel de Argento no movimento #MeToo o fez recordar o trauma do episódio com a atriz. "O meu trauma ganhou força quando a vi surgir, também ela, como uma vítima".

Bennett e Argento conheceram-se pela primeira vez quando o jovem ator, então com apenas 7 anos, interpretou Jeremiah, filho de Argento no filme Maldito Coração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.