Jovem que acusa Asia Argento de abuso quebra silêncio

Jimmy Bennett disse ao New York Times que tinha medo e vergonha de falar publicamente sobre o caso

O ator que acusou a atriz e realizadora italiana de ter abusado sexualmente dele num encontro num quarto de hotel na Califórnia, em 2013 - numa altura em que Bennett tinha 17 anos e Argento 37 -, falou pela primeira vez sobre o caso nesta quarta-feira, em declarações ao jornal New York Times, o mesmo jornal que revelou a história.

Bennett disse que só agora aborda publicamente o caso, porque "tinha vergonha e estava com medo das reações". Num depoimento enviado ao jornal, o ator lembrou que "era menor quando o caso sucedeu" e, a propósito das notícias de que tentou chegar a um acordo financeiro com a atriz, disse que procurou "justiça de uma forma que fizesse sentido na altura, porque não estava preparado para lidar com as consequências de a história se tornar pública".

"Naquela altura, acreditei que haveria ainda o estigma de ter vivido aquela situação enquanto homem. Achei que as pessoas não iriam compreender aquilo que aconteceu na versão de um adolescente", acrescentou Jimmy Bennett.

Recorde-se que Asia Argento,de 42 anos, foi uma das primeiras mulheres a dar voz ao movimento #MeToo, tendo revelado que foi violada pelo produtor Harvey Weinstein. De acordo com o que o New York Times divulgou esta semana, a atriz terá pago 380 mil dólares ao jovem ator pelo seu silêncio sobre o encontro sexual. Argento alega que foi o seu namorado de então, o falecido chefe Anthony Bourdain, a efetuar o pagamento para evitar "má imprensa".

Jimmy Bennett, atualmente com 22 anos, disse ainda ao jornal que o papel de Argento no movimento #MeToo o fez recordar o trauma do episódio com a atriz. "O meu trauma ganhou força quando a vi surgir, também ela, como uma vítima".

Bennett e Argento conheceram-se pela primeira vez quando o jovem ator, então com apenas 7 anos, interpretou Jeremiah, filho de Argento no filme Maldito Coração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."