José Mayer deixa a Globo após mais de 35 anos de trabalho e um caso de assédio

Ator estava afastado por tempo indeterminado da emissora.

José Mayer, 69, e a Globo deram fim à parceria após mais de 35 anos. A notícia foi confirmada pela própria emissora nesta terça (15) em forma de comunicado oficial. Afastado da TV desde abril de 2017, quando foi acusado de assédio sexual pela figurinista Susslem Meneguzzi Tonani, durante os bastidores da novela "A Lei do Amor", o ator permanecia com contrato vigente. Tonani, por sua vez, decidiu não levar adiante o inquérito contra Mayer.

"Depois de mais de 35 anos de uma trajetória iniciada na novela "Guerra dos Sexos", em 1983, com participação em mais de 40 obras, entre novelas, séries, minisséries e especiais, a Globo e o ator José Mayer informam o fim da parceria, de comum acordo, no final de 2018", diz o comunicado.

Na ocasião, Mayer pediu desculpas pelo ocorrido. "Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas", dizia um trecho de carta enviada pelo ator. Atrizes e funcionárias da emissora chegaram a fazer protestos contra o assédio.

Em entrevista nesta terça (15) ao programa A Tarde É Sua (RedeTV!), Mayer revelou que gostaria de voltar a atuar e que faltavam convites. "Estou pronto para voltar a atuar e sinto tanta falta como me sinto preparado. Estou 100% de saúde e estou animado, mas faltam-me convites. O convite que pintar estou aberto e vou pegar com tudo nesse retorno de trabalho", disse.

No quesito saúde, o artista também passou por uma doença rara e pela qual teve de ficar internado por 30 dias. Fez um tratamento contra granulomatose de Wegener, uma doença autoimune e rara que não tem causa conhecida e pode atingir o pulmão, os rins ou as vias aéreas superiores.

Quem também causou polémica foi o autor de novelas Aguinaldo Silva, que pediu nas redes sociais, na segunda (14), a volta do artista à TV. "Não há crime se não há queixa à polícia nem denúncia na Justiça. Por isso, volta, José Mayer", publicou. Mayer deveria fazer parte do elenco de "O Sétimo Guardião", do próprio Aguinaldo, mas a acusação de assédio, em 2017, fez com que a Globo o tirasse de cena.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.