Joey Badass na Ericeira: o rapper que aos 17 anos recusou contrato com Jay-Z

Rapper de Brooklyn, de 23 anos, foi cabeça de cartaz em mais uma edição do Summer Fest, na Ericeira. O artista esteve em Portugal pela primeira vez, num espetáculo que pôs o público todo a saltar e a cantar

Passavam cerca de vinte minutos depois da meia-noite. Estava na hora do concerto começar e o público chamava pelo seu nome artístico: "Joey, Joey, Joey..." Era, para muitos, o momento mais aguardado do segundo dia do festival no parque de campismo da Ericeira. Até que surgiu no palco, aos saltos e a puxar por todos, para largar algumas das suas "bombas".

É um rapper que, dadas as atuais tendências alternativas do hip-hop, insiste num flow old-school, com letras e vídeoclips que transmitem uma mensagem. Tanto sobre a sua vida, como alguns dos maiores problemas do seu país: a discriminação étnica dos EUA, os jovens negros mortos a tiro à queima-roupa ou a governação de Donald Trump. Joey Badass sabe que a grande maioria dos seus fãs são "brancos". Portanto, acredita na oportunidade das suas músicas educarem uma geração mais nova.

Atualmente, já é considerado um nome do hip-hop mundial e as visualizações no YouTube falam por si. Mas, acima de tudo, é elogiado pela forma como vingou, mantendo a humildade, ao seu estilo. Por vezes, um pouco rebelde - como diz o nome "Badass" -, próprio da idade e de onde cresceu.

De Brooklyn para o Mundo

Jo-Vaughn Virginie Scott (Joey Badass) nasceu e cresceu nas ruas de Brooklyn, em Nova Iorque. O bairro e a cidade onde muitos outros nomes se tornaram estrelas do hip-hop mundial, como The Notorious B.I.G., Nas ou 50 Cent. E também Jay-Z, de quem não aceitou uma proposta com a Roc Nation.

Era final de 2012 quando Joey Badass, ainda com 17 anos, foi conhecer as condições do contrato. E nem queria acreditar que aquele momento estava a acontecer. Estar a subir no elevador num dos arranha-céus da Broadway, em Manhattan, para conhecer pessoalmente "o Jay-Z": uma inspiração para a maioria dos artistas jovens, não por ter vendido droga nas ruas de Nova Iorque, mas como o talento e a persistência lhe deram uma "nova vida". Tornou-se não só um empresário de sucesso, como um dos três americanos mais ricos de qualquer género musical, aponta a Forbes, partilhando o pódio com Dr. Dre e Pouf Daddy.

Aquele poderia ser o momento de viragem para outro jovem de Brooklyn. Deveria ser o sonho de qualquer artista poder assinar com a produtora que gere várias estrelas, como Rihanna, Bruno Mars, Lil Wayne ou Mariah Carey.

Apenas uns meses antes tinha lançado as suas duas primeiras mixtapes: "1999" em junho e "Rejex" em setembro. Afirmou depois, em várias entrevistas, que quis manter-se um artista livre a fazer o queria. Recusou a proposta e continuou a trabalhar ao seu estilo, com a produtora independente que, em 2010, o descobriu no Youtube.

Aos 15 anos, ainda com o nome de JayOhVee, lança um vídeo a 'disparar' rimas em freestyle, com a certeza que este iria tornar-se viral entre os canais de hip-hop. Está online e veem-se quatro miúdos a partilharem um sonho, num beco escuro com paredes grafitadas, de boné e mochila às costas. Filmado, de certeza, depois das aulas da escola de artes que Joey frequentou. "Mas ninguém quis saber", disse a rir-se em entrevista ao SuperStarTV. Foi quando mudou o título do vídeo para "15 years old freestyle to world star" que a sua vida começou a mudar: as visualizações dispararam e é descoberto e contactado pelo seu atual manager Johnny Snipes, fundador da Cinematic Music Group. Aos 17 anos, acabado de terminar a escola, faz a sua primeira digressão com o rapper profissional Juicy J. E as notícias à volta de um jovem fenómeno começaram a sair: as letras impressionavam, os beats relembravam o hip-hop dos anos 1990 e no palco mostrava raça com o seu grupo Pro Era.

Sem parar

A partir dessa altura, Joey Badass nunca mais parou, dos concertos em clubs de Nova Iorque para palcos em festivais nos quatro cantos do mundo. Lançou a terceira mixtape, no verão de 2013, Summer Knights. O disco de estreia B4.DA.$ (que pode ler-se Before da Money) chega em janeiro de 2015. E, apesar de a música ser tudo na vida de Joey Badass, o artista admitiu sempre que o gosto pelas artes também se estendia à representação. E a oportunidade aparece: participar na série Mr. Robot.

O segundo álbum, o mais recente, é lançado em abril de 2017 com o nome de All-Amerikkkan Bada$, no qual está a sua música mais popular: "Devasted", premiada com Platinium, conta com mais de 25 milhões de visualizações no Youtube. A letra remete para uma altura em que o artista se sentia "arrasado", que nunca conseguiria chegar onde queria. "Mas agora estamos no caminho da grandeza, e tudo o que precisei foi paciência".

A verdade é que as suas músicas inspiram massas: as dificuldades do 'mundo' onde nasceu, a falta de interesse na escola e uma vontade de fazer aquilo de que mais gosta. Joey não quis tudo ao mesmo tempo. Foi humilde, não se perdeu pelo caminho e isso vê-se e ouve-se, seja nas letras ou na forma como é acessível com os fãs e com os amigos do bairro onde cresceu. "Apesar de estar a fazer este dinheiro todo, não me esqueço de onde vim".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.