Jim Parsons anunciou em lágrimas o fim de "A Teoria do Big Bang"

Uma das bem sucedidas sitcoms de todos os tempos termina por causa da saída do ator que interpreta Sheldon. Todos os outros foram apanhados de surpresa

Foi de forma emocionada que o ator Jim Parsons, o Sheldon de "A Teoria do Big Bang" anunciou na passada quarta-feira que a 12.ª temporada, que estreia em setembro, será a última.

A notícia foi recebida com surpresa por quase todos, incluindo os outros atores que ajudaram a fazer desta série uma das sitcoms mais bem sucedidas de todos os tempos.

Todos os membros do elenco e grande parte da equipa técnica tinham-se juntado para a primeira leitura em conjunto do guião que se preparavam para gravar, do primeiro episódio da 12.ª temporada, quando foram convocados para uma reunião com o produtor e criador da série, Chuck Lorre.

Segundo conta o site especializado Deadline, muitos pensaram tratar-se de um encontro preliminar para falar do lançamento da 13.ª temporada. Até porque era sabido que a televisão CBS e a produtora Warner Brothers TV estavam em negociações para renovar a série por pelo menos mais dois anos.

O que aconteceu foi o inverso: Jim Parsons tomou a palavra e, com lágrimas nos olhos, anunciou que não voltaria a encarnar o papel de Sheldon Cooper, o rapaz genial que é um dos pilares fundamentais de toda a série.

De seguida, Chuck Lorre declarou que a 12.ª temporada será mesmo a última - algo confirmado poucas horas depois oficialmente pela CBS.

Parsons não declarou o que o levou a tomar esta decisão. Segundo a Entertainment Weekly, ele estava em vias de ganhar mais 50 milhões de dólares (quase 43 milhões de euros) com a referida renovação de contrato da CBS. Os atores principais da série recebem um salário recordista de um milhão de dólares (859 mil euros) por episódio e mais duas temporadas equivalem a cerca de 50 episódios. Mas o dinheiro não terá sido o problema, até porque, segundo o Deadline, ele comunicou a Chuck Lorre a intenção de abandonar o papel na sexta-feira ​​​​​​, numa altura em que as negociações ainda decorriam.

Aliás, de acordo com a mesma publicação, que cita fontes anónimas na produção, terão ainda havido tentativas de fazer Parsons mudar de ideias, mas tal revelou-se impossível.

Como que a tentar por um ponto final definitivo na situação, o ator publicou esta quinta-feira, no seu Instagram, a mesma fotografia do elenco principal que fora usada pela CBS no anúncio do fim da série. Sobre ela, desenhou um coração e acompanhou-a com uma mensagem emotiva, mas que denota nas entrelinhas algum cansaço com a personagem.

Eis a declaração na íntegra:

"É muito duro (quase impossível de facto) aceitar verdadeiramente que esta é uma fotografia do primeiro dos últimos 24 episódios que gravaremos para A Teoria do Big Bang. Sinto-me muito afortunado por termos mais 23 episódios para gravar esta temporada porque tenho a esperança que, com cada um de eles, aumente a minha capacidade de VERDADEIRAMENTE aceitar o facto.

"Outra coisa que me sinto agradecido - e este agradecimento não precisa de tempo para 'aumentar' ou ser 'aceite': há um sentimento que está sempre comigo mas é multiplicado neste momento de anunciar a nossa última temporada - é que sinto uma enorme gratidão aos nossos devotados espectadores que são a VERDADEIRA razão por que fomos abençoados com a oportunidade de explorar estas personagens durante 12 anos das nossas vidas.

"Estou agradecido à nossa equipa - muitos, muitos estão connosco desde o primeiro dia - aquelas que são as pessoas que nos dão um sentido de estabilidade e confiança, que são tão afáveis e gentis e sempre tão prontas a cumprimentar-nos e a sorrir cada vez que entramos no estúdio e quem, apesar de não aparecerem na TV, são de muitas formas o verdadeiro e constante batimento do coração que mantém este corpo de trabalho vivo e a respirar enquanto nós, quais braços e pernas agitando-se, agimos como idiotas e bobos, tentando fazer alguém rir.

"Estou agradecido a todos os guionistas da série - aqueles que estão connosco agora e aqueles que já foram - porque, sem eles, não haveria literalmente nenhuma Teoria do Big Bang, nunca. Os guionistas pensaram este programa, criaram estas personagens, são aqueles que encontraram formas de constantemente inventar formas orgânicas e interessantes de manter a vida neste programa, o que é uma tarefa muito, muito mais desafiante do que alguém que não sejam eles podem saber ou compreender.

"E enquanto sei que eles já o sabem, vale a pena repeti-lo uma e outra vez: estou de tal forma grato ao elenco nesta fotografia e a todos os outros atores que não estão aqui representados - quer eles tenham entrado numa única cena ou em vários episódios. Vocês são os meus companheiros de brincadeiras quando não nos apetece brincar mas temos de o fazer porque é o nosso trabalho avançar e comunicar e fazer de conta que somos estas pessoas de ficção e olharmo-nos olhos nos olhos e dizer estas palavras e acabamos por criar esta estranha realidade paralela que enriqueceu a minha vida mais do que alguma vez poderei compreender.

"Vou ter saudades de todos vós, mais do que posso dizer ou posso saber este momento."

Exibida em Portugal no AXN White, a "Teoria do Big Bang", que estreou em 2017, é uma das séries de comédia mais populares de todo o mundo. Na última temporada, teve em média 18,6 milhões de telespetadores. Recebeu 52 nomeações para um Emmy, tendo ganho 10 até ao momento.

Além de representar o final da história do grupo de amigos geeks, a 12ª temporada marca também o fim da série multicâmara mais longa da história da televisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.