Jesuítas dinamizam novo espaço cultural no Bairro Alto

Brotéria é o novo espaço cultural a abrir para o ano no Bairro Alto. Terá a revista e todo o seu espólio, além de atividades culturais, numa parceria da Santa Casa da Misericórdia com a Companhia de Jesus. Sábado há festa no largo.

A Brotéria vai ficar no espaço anteriormente ocupado pela Hemeroteca de Lisboa, em frente ao Largo Trindade Coelho, onde a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) tem sede. A instituição está a construir uma área cultural com diversas valências, sendo nesse sentido que surge o novo espaço da responsabilidade da Companhia de Jesus, explicaram ao DN as assessorias de ambos os organismos. O acordo de cedência foi assinado em 2010.

Aquele espaço integrará o novo polo cultural de São Roque dinamizado pela SCML, que inclui a Igreja de São Roque, o Museu de São Roque, o Arquivo Histórico e Biblioteca da SCML e o Museu Casa Ásia (Palácio de S. Roque) onde estará patente a coleção de arte asiática de Francisco Capelo. As obras de remodelação atrasaram a abertura deste último espaço, prevendo-se, agora, que seja no 1.º semestre de 2019, estimando-se para o 2.º semestre a inauguração da Brotéria ((Palácio dos Condes de Tomar)..

O novo espaço "destina-se a promover o diálogo entre a fé cristã e as culturas urbanas contemporâneas. Será um espaço de reflexão viva, a muitas vozes, e contará com um programa de exposições, debates e conferências, espetáculos e uma área de galeria"; referem os responsáveis da Companhia de Jesus. Aqui ficará, também, a revista Brotéria, bem como a sua biblioteca e arquivo, que tem mais de 160 mil volumes.

O polo cultural será apresentado no sábado, com uma programação cultural da responsabilidade de António Pinto Ribeiro, no Largo Trindade Coelho. Entre as 9:30 e 24:00 haverá exposições, teatro de sombras, leituras concertos e dj set, jogos, workshops e cozinha tradicional do Oriente. A entrada é gratuita e a iniciativa enquadra-se no Ano Europeu do Património Cultural.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?