Já se sabe quem vai suceder Cristina Ferreira ao lado de Goucha na TVI

No início do próximo ano, Manuel Luís Goucha passa a fazer dupla com Maria Cerqueira Gomes nas manhãs da TVI. A nova apresentadora sucede a Cristina Ferreira que no verão protagonizou a transferência do ano no mercado televisivo ao sair da estação de Queluz de Baixo para a SIC

Chama-se Maria Cerqueira Gomes e vai substituir Cristina Ferreira ao lado de Manuel Luís Goucha no Você na TV!. O anúncio foi feito esta manhã no programa da TVI.

"A este Manuel vai juntar-se uma Maria", disse Manuel Luís Goucha esta terça-feira para apresentar Maria Cerqueira Gomes. Tem 35 anos, e atualmente apresenta o programa "Olá Maria", no Porto Canal, mas no início do próximo ano forma a nova dupla das manhas da estação de Queluz de Baixo.

Público ajudou a escolher

"Tem experiência de direto que nunca mais acaba", elogiou Manuel Luís Goucha, que recordou a passagem da nova apresentadora da TVI pelo programa, há cerca de dois meses.

Na altura, a presença de Maria Cerqueira Gomes no Você na TV! foi um sucesso nas redes sociais. "484 comentários publicados no meu Facebook e todos eles muito elogiosos. Isto quer dizer que a sua opinião conta. Foi você que nos ajudou a escolher a Maria Cerqueira Gomes", disse Goucha.

Mãe de Francisca, de 15 anos, e João, de um, a nova apresentadora da TVI estudou direito, passou pela moda, mas é na apresentação que se sente realizada.

"Em breve, a Maria e o Manuel aqui estarão diariamente a fazer-lhe companhia", anunciou Manuel Luís Goucha que tem nova companhia no programa das manhãs da TVI depois da saída de Cristina Ferreira para a TVI. O anúncio da transferência do ano no mercado televisivo foi feito há dois meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?