Instalação artística inspirada em Aquilino vira Paredes de Coura ao contrário

Uma instalação artística inspirada numa frase de Aquilino Ribeiro vai "transportar" o público para o evento "O Mundo ao Contrário" vai decorrer entre os dias 27 e 29 de julho, em Paredes de Coura, disse a autora.

"Para ser romancista, poeta, músico, pintor, antes de mais nada é preciso saltar para cima do telhado da casa em que nascemos. Esta encorajadora mensagem deixada por Aquilino Ribeiro inspirou a instalação deste ano, ilustrada com personagem lúdicas que mergulham de subtis telhados vermelhos para a rua que passa a ser o céu ou palco dos nossos sonhos", disse à agência Lusa a designer Madalena Martins.

Madalena Martins explicou que naquela obra "explora um universo dedicado ao design e ao imaginário da cultura portuguesa, reinterpretando objetos, materiais e histórias, devolvendo emoções em forma de peças ou instalações".

Natural de Ponte de Lima, também no Alto Minho, Madalena Martins, é licenciada em 'Design' de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, cidade que escolheu para viver e onde, desde 1999, trabalha no seu ateliê.

A instalação artística, cuja montagem termina na terça-feira, na rua principal daquela vila do Alto Minho, é composta por mais de 70 quilos de fio, de cor vermelha, colocados na rua, simbolizando os telhados das casas e onde serão suspensas dez personagens, com cerca de dois metros. A instalação será iluminada com lâmpadas vermelhas. "De uma forma abstrata, a instalação retrata a frase do escritor, que viveu e escreveu sobre Paredes de Coura, e transporta o público para as diferentes atividades de 'O Mundo ao Contrário'", especificou, adiantando que naquela artéria da vila, está escrita, a azul, a frase de Aquilino Ribeiro.

Segundo a Câmara de Paredes de Coura, o evento inclui espetáculos de teatro, música, novo circo, cinema, animações de rua, residências artísticas, instalações e oficinas, numa iniciativa dirigida a toda a família e com entrada livre. Organizado pela autarquia, "O Mundo ao Contrário" vai reunir artistas nacionais e estrangeiros que transportam os participantes para um mundo no qual o riso, o deslumbre, a fantasia, a criatividade, o risco e o absurdo assumem um lugar especial na imaginação dos pequenos e graúdos.

Os Frutillas con Crema (Chile), Jump (Bélgica), Menzo (Argentina), Andrea Farnetani (Itália), Didier Théron (França), Fraser Hooper (Inglaterra), Sílvia Barbosa (Portugal), Cirk About It (Espanha), Jashgawronsky Brothers (Itália), Onewoman Company (Alemanha), Bledam Oz (Austrália/Inglaterra), Circo Ativo (Espanha) e Lusco e Fusco (Espanha) e as bandas dos portugueses Fanfarra Bizarra e Irmãos Esferovite integram o cartaz da quinta edição da iniciativa. O programa inclui ainda residências artísticas, oficinas de artes plásticas, construções Lego, robótica, pinturas faciais e leitura, entre outras atividades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.