Holanda ganhou a Eurovisão na noite em que Madonna disse a Israel e à Palestina: "acordem"

É quinta vitória da Holanda na Eurovisão. Madonna acabou por não boicotar a Eurovisão, mas não deixou o palco sem mandar uma mensagem política.

O espetáculo da final da Eurovisão começou com a vencedora do ano passado, Netta, que deu início ao desfile dos países. Pelo meio, uma paragem para ouvir outros israelitas que passaram pelo palco da Eurovisão. Dana International a cantar Diva, a canção vencedora de 1998, Ilanit, a primeira participação israelita no concurso, em 1973 e, por fim, Nadav Guedj, o representante de 2015, que terminou em nono lugar.

Holanda é a grande vencedora, 42 anos depois da última vitória do país no concurso, tendo reunido 492 pontos. Duncan Laurence cantou Arcade e desde cedo foi identificada como uma das favoritas do público. Em segundo lugar ficou Itália e em terceiro a Rússia.

Esta vitória holandesa acontece depois das vitórias em 1957, 1959 e 1969 (quando houve quatro vencedores). A última vitória foi em 1977, novamente empatados, desta vez com a França.

O Reino Unido ficou em último lugar, o que deu lugar a algumas brincadeira no Twitter, comparando a votação da Europa ao Brexit.

Depois das atuações dos vinte concorrentes, quatro ex-vencedores da Eurovisão foram desafiados a cantar músicas de outros eurofestivais da canção.

Conchita Wurst, vencedora de 2014, cantou Heros de Måns Zelmerlöw. Por sua vez, Måns Zelmerlöw, da Suécia, vencedor de 2015, cantou Fuego, de Eleni Foreira, segunda classificada, no ano passado, em Lisboa. A cantora do Chipre foi desafiada a cantar Verka Serduchka, da Ucrânia, que em 2007 ficou em segundo lugar. E esta, por sua vez teve de cantar Toy, de Netta, a canção vencedora de 2018.

A este momento mais divertido seguiu-se Gali Atari voltou para cantar Hallelujah, a segunda vitória de Israel na Eurovisão, em 1979. Como coro contou com a participação de Conchita Wurst, Måns Zelmerlöw, Eleni Foreira e Verka Serduchka.

Netta Barzilai voltou ao palco para cantar a sua nova música Nana Banana!

Madonna o nome grande da música, cuja presença nesta final há muito deixou de ser surpresa, subiu ao palco ainda antes de se conhecerem as votações. Cantou Like a Prayer, seguida de Future, música do seu trabalho lançado este mês e que canta com Quavo, que se juntou à cantora em palco. A atuação acabou com momento político. Dois bailarinos, um com a bandeira de Israel e outro com a bandeira da Palestina abraçados e no final as palavras "Wake Up" (Acordem, em português) apareceram no ecrã. Um momento que terá escapado à organização, já que não são permitidas demonstrações políticas.

Este não foi o único incidente depois de vários apelos ao boicote. A banda da Islândia, os Hatari mostraram uma bandeira da Palestina durante a divulgação dos votos.

A questão das relações entre a Palestina e Israel levaram a vários pedidos de boicote que foram dirigidos não só a Madonna, mas também aos países concorrentes, como a carta de Roger Waters dirigida a Conan Osíris. Não é a primeira vez que se fazem apelos ao boicote em festivais da Eurovisão e não foi apenas em Israel que isso aconteceu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.