Henry Cavill poderá deixar de ser Superman

O mundo dos super-heróis volta a agitar-se: tudo indica que a Warner Bros. não vai renovar o contrato de Henry Cavill para interpretar Superman

Assim vai o mundo dos super-heróis: Henry Cavill poderá deixar de ser o intérprete de Superman. Essa possibilidade foi noticiada por "The Hollywood Reporter", dando conta das reticências da Warner Bros. em contar com o ator inglês para continuar a interpretar um dos símbolos mais fortes do universo da DC Comics. Aparentemente, será a segunda saída sonante neste domínio, já que parece também adquirido que Ben Affleck não voltará a envergar as vestes negras de Batman.

Para Cavill, não terá sido possível conciliar o calendário de produções da personagem de Superman com o seu compromisso com a Netflix, para integrar o elenco da série The Witcher. Assim sendo, já nem assumirá uma pequena participação como Superman, prevista para o filme Shazam!, com lançamento agendado para Abril de 2019.

Para além dessas questões práticas, Warner e DC estão, obviamente, a tentar contrabalançar o poder dos estúdios Marvel que, nos últimos anos, através de uma aguerrida estratégia de marketing, têm dominado esta faixa do mercado. Há sinais que levam a supor que a Warner está mais empenhada na recuperação e valorização espetacular da personagem de Supergirl. Objectivo: multiplicar as figuras femininas entre os super-heróis e insistir na audiência juvenil como primeiro alvo de consumo. A esse propósito, vale a pena recordar que Gal Gadot vai retomar o papel de Wonder Woman, numa produção a estrear em Outubro do próximo ano.

Cavill foi Superman em três títulos: Homem de Aço (2013), Batman v. Superman: O Despertar da Justiça (2016) e Liga da Justiça (2017), todos dirigidos por Zack Snyder. Mais recentemente, vimo-lo na companhia de Tom Cruise, em Missão: Impossível - Fallout. Para a história, recorde-se que, em Dezembro, se completarão 40 anos sobre a data de lançamento do filme que relançou a personagem de Superman no mundo do cinema: chamou-se entre nós Super-Homem: O Filme, tinha realização de Richard Donner, surgindo Christopher Reeve (1952-2004) como inesquecível intérprete do super-herói; o papel de Jor-El, seu pai, pertencia a Marlon Brando.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".