HBO: a grande derrotada na estreia de "A Guerra dos Tronos"

Os assinantes da plataforma HBO que esperaram pelas duas da manhã para assistir à estreia de "A Guerra dos Tronos" foram confrontados com uma mensagem de erro e não conseguiram ver o episódio a horas. Redes sociais inundadas de críticas.

Estar acordado às 2.00 da manhã para ver a estreia da 8.ª temporada de "A Guerra dos Tronos" e depois não conseguir assistir ao episódio fez com que centenas de pessoas "destruíssem" a reputação da HBO Portugal durante a madrugada desta segunda-feira.

O serviço de streaming que está disponível em Portugal desde fevereiro tinha como grande trunfo para este mês esta série que se tornou um fenómeno mundial. No entanto, uma falha ainda não explicada acabou por fazer com que os subscritores da plataforma não conseguissem assistir ao início de uma temporada aguardada há cerca de dois anos.

Tiveram assim duas opções: ir para as redes sociais criticar a HBO ou mudar de canal para o Syfy (quem o tinha disponibilizado) que à mesma hora transmitia o regresso de "A Guerra dos Tronos".

As reclamações surgiram em catadupa nas páginas da empresa norte-americana ao ponto de os responsáveis deste canal por subscrição terem colocado um post onde escreveram: "O episódio está a chegar. O exército dos mortos apareceu sem avisar e temos as várias Casas a trabalhar para os derrotar. Estamos a fazer de tudo para derrotar o inimigo e disponibilizar o episódio o mais rápido possível. Pedimos desculpa pela situação e agradecemos a vossa paciência." O certo é que o episódio terminou e o serviço continuava indisponível.

No entanto, os fãs não ficaram satisfeitos e o Twitter, por exemplo, foi inundado de comentários ao fracasso da HBO que não conseguiu disponibilizar o episódio em qualquer plataforma - televisão ou telemóvel.

Só pelas três da manhã é que foi possível assistir à estreia da 8.ª temporada, já depois de o episódio ter terminado tanto nos EUA como no canal concorrente em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.