Guerra dos Tronos volta em abril mas dragões voam em livro já dia 20

Não George R. R. Martin ainda não terminou o sexto livro da série A Song of Ice and Fire, a continuação dos romances que inspiraram a série televisiva Guerra dos Tronos, mas entretanto revelou um excerto de Fire and Blood, o seu novo livro passado três séculos antes

Fire and Blood, ou Fogo e Sangue, é o lema da família Targaryen. Foram eles quem governou os Sete Reinos de Westeros​​​​​​ até à morte de Aerys II, o rei louco, dando origem à luta pelo trono de ferro retratada na série televisiva Guerra dos Tronos. Ora é a história da dinastia que consegue invocar os dragões e levá-los a combater ao seu lado que George R. R. MArtin conta em Fire and Blood, o seu novo livro, passado três séculos antes do início da série.

Depois de uma longa espera, os fãs da série ficaram a saber este domingo que Guerra dos Tronos volta em abril para a sua oitava e última temporada. Apenas seis episódios para ficarmos a saber o destino de Jon Snow, Daenery Targaryen, Sansa, Cersei, Tyrion e da luta contra o exército dos mortos do Night King.

Claro que todos sabem que terminada a Guerra dos Tronos, virão aí as prequelas. Uma delas terá Naomi Watts como protagonista e irá passar-se milhares de anos antes da época retratada na série.

Para tornar a espera mais fácil, o The Times divulgou um excerto de Fire and Blood, o primeiro de dois volumes "escritos" pelo mestre Gyldayn, um "velhote com opiniões fortes", segundo Martin. O livro estará à venda a partir de 20 de novembro.

"Quando os dragões chegarem, a vossa pele vai arder e transformar-se em cinzas", diz um dos profetas no livro. "As vossas mulheres vão dançar em vestidos de fogo, encolhendo-se à medida que ardem, nuas sob as chamas. E vão ver as vossas crianças chorar, chorar até que os seus olhos derretam e escorram como geleia pelos seus rostos" - pode ler-se no excerto de Fire and Blood.

Para aqueles que continuam à espera de The Winds of Winter, o sexto livro da série A Song of Ice and Fire, é melhor terem paciência. O próprio Martin confessa estar a "lutar com ele há vários anos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.