Governo e Casa da Arquitetura juntos na para promoção arquitetura portuguesa

O acordo, com a duração de três anos, vai assegurar a integração dos arquivos da Casa da Arquitetura, dos materiais e dos estudos relativos ao papel da arquitetura nacional.

O Ministério da Cultura e a Casa da Arquitetura vão estabelecer esta sexta-feira uma parceria para estimular a divulgação, conservação, estudo e acessibilidade da arquitetura contemporânea portuguesa, junto dos profissionais, estudantes e públicos, revelou o Governo.

Será também assinada um protocolo entre a Casa da Arquitetura e a Direção-Geral das Artes, para depósito das representações oficiais portuguesas, nas edições da Bienal de Arquitetura de Veneza.

O anúncio da parceria vai ser feito pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, em Matosinhos, e tem como objetivo promover a arquitetura contemporânea portuguesa, pelo que a tutela se dispõe a "apoiar as atividades desenvolvidas pela Casa da Arquitetura entre 2019 e 2020".

Estas atividades incluem não só o tratamento preventivo e arquivístico de acervos, espólios e coleções nacionais e internacionais, como também a promoção e divulgação pública da arquitetura e a realização de exposições.

"Com este passo, o Ministério da Cultura assume a importância da arquitetura como disciplina transversal para o estudo das cidades, para a vivência das comunidades e para a intervenção no território, promovendo as boas práticas da criação artística e a sua preservação", considera, em comunicado.

Na mesma altura, vai ser também assinado um protocolo entre a Direção-Geral das Artes e a Casa da Arquitetura, relativo ao depósito do acervo das representações portuguesas na Bienal de Arquitetura de Veneza.

O acordo, que tem a duração de três anos, assegura a integração nos arquivos da Casa da Arquitetura, dos materiais, estudos e conteúdos relativos ao papel da arquitetura nacional em contexto artístico internacional.

Graça Fonseca, acompanhada da secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, também estará hoje em Guimarães, para a sessão de assinatura do protocolo que formaliza a cedência de 15 obras de arte da Companhia de Seguro de Crédito (Cosec), ao Museu de Alberto Sampaio.

Na ocasião será inaugurada uma exposição desta coleção, que inclui seis tapeçarias e nove pinturas de artistas portugueses dos século XIX e XX.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.