"Friends" acabou há 14 anos. E é a série mais vista em streaming no Reino Unido

Estudo coloca o programa no topo das preferências dos ingleses

A série norte-americana Friends, que terminou em 2004, ainda hoje bate recordes de visualizações: no Reino Unido é o programa mais visto em streaming.

A Netflix só adicionou a série em janeiro deste ano, mas Friends já ultrapassa programas mais recentes. Um estudo da Ofcom, a reguladora de televisão britânica, com uma amostra de 2500 pessoas, classifica o programa como o mais ​​​​​​​visto por streaming no Reino Unido. Depois de Friends, as séries com mais visualizações dos britânicos, são The Grand Tour, The Crown e Stranger Things.

Friends estreou em 1994 e esteve dez anos no ar. O último episódio teve 52,5 milhões de espetadores só nos Estados Unidos. A série acompanha o dia-a-dia de seis amigos - Rachel, Ross, Monica, Phoebe, Chandler e Joey - que procuram o emprego dos seus sonhos e a pessoa com quem quer passar o resto da vida.

O sucesso da série deve-se ao facto de ser transversal a várias gerações. Sue Kemp, de 48, viu a série desde o primeiro episódio em direto na televisão. Ainda hoje revê os episódios, pela Netflix, com as suas filhas de 15 e 21 anos. "Até a minha filha mais nova vê. Ela tem 15 anos e acha tão engraçado como eu acho com quase 50 anos", contou Sue à BBC durante o FriendsFest, em Manchester.

Em Portugal, Friends estreou a 27 de outubro de 1998 na RTP1. E desde então já foi emitida pela RTP2, pela SIC Mulher e pela FOX. Está também disponível na Netflix.

Friends foi eleita a melhor série de sempre pela revista Holllwood Report, a partir de um inquérito realizado, em 2015, a mais de 2.800 pessoas no universo do entretenimento americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.