De Salvador Sobral a Lena D'Água: os Bons Sons de volta a Cem Soldos

O festival Bons Sons arranca na quinta-feira em Cem Soldos, Tomar, celebrando este ano o "Amor de verão" entre os 35 mil festivaleiros esperados e a aldeia que os recebe com frases pintadas nas paredes, varandas ou estendais.

"Há uma relação afetiva entre os visitantes e o próprio espaço da aldeia que este ano dedica o festival a esse "Amor de verão" com a população a envolver-se em mais um projeto para receber os festivaleiros", disse à agência Lusa Luís Ferreira, da organização do Bons Sons.

Em Cem Soldos - a aldeia que durante quatro dias se transforma no recinto do festival - a "contagem decrescente" para a receção aos festivaleiros vive-se com os habitantes locais empenhados em "pintar nas paredes e em azulejos frases retiradas de letras de canções dos artistas que integram o cartaz", ou em criar "estendais de lençóis também com partes das músicas que este ano são 90% de amor".

O 'amor de verão', que a aldeia faz acontecer entre quinta-feira e domingo, envolve os cerca de mil habitantes de Cem Soldos que abrem as portas das suas casas aos festivaleiros, cedem terrenos agrícolas para instalar parques de estacionamento ou transformam quintais em restaurantes onde limpam, cozinham e servem as refeições.

"Dos mais velhos aos mais novos todos participam" na construção do festival "feito de vivências entre quem habita e quem visita a aldeia" que, lembrou Luis Ferreira, vai receber 50 atuações do rock, à pop, à folk, ao jazz, ao fado, ao funk e à eletrónica.

Salvador Sobral, Selma Uamusse, Mazgani, Sara Tavares, Sean Riley & The Slowriders, Cais Sodré Funk Connection, Dead Combo, Lena D'Água e Primeira-dama com Banda Xita são as propostas para o Palco Lopes Graça, no largo da aldeia.

Já o Palco Eira e o Palco ao Sol foram este ano rebatizados. O primeiro adotou a designação Zeca Afonso para receber atuações "mais intimistas" como as de The Lemon Lovers, Slow J, 10.000 Russos, Mirror People, Zeca Medeiros, Paus, Peltzer e Linda Martini. O segundo passou a chamar-se Amália, em homenagem à fadista, e a ele subirão Norberto Lobo, João Afonso, Miguel Calhaz, Ela Vaz, Motion Trio, Moonshiners, Fado Violado e Tia Graça - Toda a gente devia ter uma.

No palco Giacometti a relação de intimidade com o público celebra-se nesta edição com Lince, Jerónimo, S. Pedro, Tomara, O Gajo, Quartoquarto, Monday e Luis Severo. Palankalama, Patrícia Costa e Meta são as propostas para o palco Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, espaço onde cabem ainda as atuações de Vozes de Manhouce, Homem em Catarse, Artesãos da Música, Orquestra de Foles e Douradas Espigas.

Noite dentro, a música vive-se em Cem Soldos no Palco Aguardela, com nomes como António Bastos, Conan Osiris, Colorau Som Sistema e Xinobi.

O auditório da aldeia muda também este ano de nome, adotando a denominação Agostinho da Silva, o "Curtas em flagrante", um festival de curtas-metragens oriundas de países de língua oficial portuguesa, e uma vasto programa de atividades paralelas para as famílias.

Organizado pelo Sport Club Operário de Cem Soldos desde 2006, o Bons Sons manteve-se bienal até 2014, passando a realizar-se anualmente e tendo recebido, em oito edições, 278 concertos e 238.500 visitantes.

Este ano, "a expectativa é manter a média dos 35 mil visitantes" ao longo dos quatro dias do certame cujos bilhetes das duas primeiras fazes de vendas "esgotaram", mantendo-se "a bom ritmo" a venda de ingressos que decorre ainda até ao início do festival.

O Bons Sons, que movimenta um orçamento anual na ordem dos 450 mil euros, tem como meta o desenvolvimento local e integra-se num conjunto de atividades culturais desenvolvidas pela população e pela associação local, cujos lucros revertem para projetos culturais e sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.