Experience+Innocence. A digressão europeia dos U2 começa esta sexta-feira envolta em controvérsia

"A Europa é um pensamento que precisa de se tornar um sentimento", escreveu Bono num artigo que antecipa os próximos concertos no velho continente

Os U2 iniciam uma ​​​​​​nova digressão europeia esta sexta-feira, em Berlim, na Alemanha. Experience+Innocence, que apresenta o 14.º álbum de originais da banda irlandesa, passa por Portugal a 16 e 17 de setembro. Os concertos na Europa ainda não arrancaram mas o espetáculo tornou-se polémico depois de o vocalista ter publicado uma reflexão sobre o futuro da União Europeia no jornal alemão Frankfurter Allgemeine.

Experience+Innocence estreou-se a 2 de maio na cidade norte-americana de Tulsa. A digressão com 59 concertos de apresentação do álbum que lançaram em dezembro do ano passado, Songs of Experience, é a continuação de Innocence+Experience (2015). As semelhanças técnicas entre os dois espetáculos são nítidas, mas o sistema sonoro e os ecrãs foram melhorados. Há ainda uma experiência de "realidade aumentada" no início do concerto para quem descarregar a aplicação U2 Experience.

O alinhamento do espetáculo, que desiludiu muitos dos seguidores da banda no concerto de abertura, exclui vários hinos do grupo de Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen, como With or Without You, Where The Streets Have No Name (ou I Still Haven`t Found What I`m Looking For (todas de 1987). Os clássicos ficaram de fora pela proximidade temporal com a anterior digressão da banda - dos 30 anos do álbum The Joshua Tree - que, no ano passado, revisitou o alinhamento na íntegra do álbum que estava a comemorar três décadas.

No entanto, os irlandeses decidiram compensar os mais conhecedores da sua obra com a oportunidade de ouvir ao vivo Acrobat (1991). A canção do álbum Achtung Baby nunca tinha sido tocada antes em concerto. Juntam-se à lista I Will Follow (1980), Cedarwood Road (2014), Song for Someone (2014) ou Sunday Bloody Sunday (1983).

Prestes a iniciar a parte europeia da digressão, o vocalista dos U2 escreveu um artigo, esta semana, no diário alemão Frankfurter Allgemeine a defender o projeto europeu e a criticar as ameaças ao mesmo. "A Europa é um pensamento que precisa de se tornar um sentimento", afirmou Bono.

"Dizem-me que uma banda rock está no seu melhor quando é um pouco transgressiva: quando alarga as fronteiras daquilo que se considera bom gosto, quando choca, quando surpreende. Bom, os U2 começam uma digressão em Berlim esta semana e tivemos uma das nossas ideias mais provocadoras: durante o concerto, vamos agitar uma bandeira grande, luminosa, azul da União Europeia", escreveu.

Paul Hewson, o nome verdadeiro do vocalista dos U2, saúda ainda no texto a Alemanha pela sua política de ajuda aos refugiados, enquanto lamenta a atitude dos países que não se juntaram aos alemães. Esta não é a primeira vez que o músico critica a política de ajuda a quem se desloca do seu país por causa da guerra.

Bono é aliás conhecido pelo seu envolvimento em causas sociais e políticas. Colabora com várias organizações não governamentais, como a Amnistia Internacional. Há 15 anos fundou a organização One que se dedica à luta contra a pobreza extrema e ao combate à SIDA no continente africano. O cantor de 58 anos chegou mesmo a ser considerado, em 2003, 2005 e 2006, um candidato de peso ao Nobel da Paz.

As mudanças no mundo não preocupam só o vocalista da banda. O grupo desde sempre usou os seus concertos para passar mensagens políticas. Em The Joshua Tree, o ecrã panorâmico gigante projetou imagens de migrantes a caminharem no deserto numa referência à situação da Síria.

Esta digressão serviu aliás para marcar um compasso de espera até ao lançamento de Songs of Experience, uma vez que a banda quis refazer parte do álbum para incluir uma reflexão sobre a eleição de Trump e a saída do Reino Unido da União Europeia. "De repente, o mundo mudou. E nós pensámos, "calma lá, temos que parar um pouco para pensar neste disco e como ele se relaciona com o que se está a passar no mundo", explicou The Edge à revista americana Rolling Stone.

Experience+Innocence passa pela Altice Arena, em Lisboa, a 16 e 17 de setembro. Esta é a sexta vez que a banda irlandesa vem a Portugal. A última foi em 2010, quando trouxeram a 360º Tour ao estádio da cidade, em Coimbra.

A digressão termina em casa. O último concerto está marcado para 10 de novembro em Dublin, Irlanda.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.