Paulo Coelho diz que brasileiros negligenciam a história tanto quanto o governo do Brasil

Escritor brasileiro recordou o incêndio no Museu Nacional do Brasil do passado dia 02 de setembro

O escritor Paulo Coelho considera que os brasileiros têm tanta responsabilidade quanto o governo ao negligenciar a história de um país afligido por problemas educativos.

Num texto publicado no diário britânico The Guardian, na sequência do incêndio que destruiu parte do Museu Nacional e do seu acervo, no Rio de Janeiro, Paulo Coelho escreveu que os brasileiros culpam o governo por negligenciar a história, mas "o povo brasileiro também a negligencia".

"O Brasil é um país fantástico, um país lindo, mas afligido pela falta de instrução. As pessoas pobres no Brasil não vão à escola, quanto mais aos museus. As pessoas ricas vão a museus, mas em Londres, Nova Iorque ou Paris, e não no Rio ou em São Paulo", pode ler-se no texto intitulado "O país está em lágrimas".

Para o escritor nascido no Rio de Janeiro há 71 anos e que é o mais vendido da língua portuguesa, em vez de se estar agora a celebrar os 200 anos do Museu Nacional, o Brasil "está em lágrimas porque ardeu".

"Se este marco histórico simbolizava o começo da nação, o fogo simboliza um país onde a falta de cultura e educação é o maior problema", realça o autor de "O Alquimista".

Paulo Coelho recorda que são milhões os brasileiros que viajam pelo mundo, a frequentar "museus fantásticos como a Tate, em Londres, o Metropolitano, em Nova Iorque, e o Louvre, em Paris, com mais de oito milhões de visitantes no ano passado".

"Ainda assim, não é exagero dizer que o Rio, com as suas vistas panorâmicas de montanhas, florestas e o mar, é a cidade mais bonita do mundo. Então, porque é que o Museu Nacional, o mais fantástico museu da América do Sul, com os seus dois milhões de artefactos, a coleção egípcia e os mais antigos fósseis da história do Brasil, recebia apenas 154 mil visitantes por ano?", questiona Paulo Coelho.

O Museu Nacional, no Rio de Janeiro, foi fundado por João VI, de Portugal, e era o mais antigo e um dos mais importantes museus do Brasil.

Entre as peças do acervo estavam a coleção egípcia, que começou a ser adquirida pelo imperador Pedro I, e o mais antigo fóssil humano encontrado no Brasil, batizado de "Luzia", com cerca de 11.000 anos.

Entre os milhões de peças que retratavam os 200 anos de história brasileira estavam igualmente um diário da imperatriz Leopoldina e um trono do Reino de Daomé, dado em 1811 ao príncipe regente João VI.

A história do museu remonta aos tempos da fundação do Museu Real por João VI, em 1818, cujo principal objetivo era propagar o conhecimento e o estudo das ciências naturais em terras brasileiras. Hoje, era reconhecido como um dos principais centros de pesquisa em história natural e antropológica, na América Latina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)