Eminem acusado por comentários homofóbicos no novo álbum

Tyler, The Creator está no centro das críticas do rapper norte-americano, no seu novo álbum "Kamikaze" lançado no final de agosto.

"Tyler create nothin', I see why you called yourself a faggot" (Tyler não crias nada, vejo que chamaste bicha a ti próprio). A frase da nova música "Fall", dirigida ao rapper americano Tyler The Creator, está a indignar vários fãs e outras celebridades no Twitter.

É o caso de Dan Reynolds, vocalista da banda Imagine Dragons, que fez questão de demonstrar o desagrado perante as expressões utilizadas no novo álbum do rapper Eminem, lançado no final de agosto. Na sua conta de Twitter, Dan tece uma dura crítica ao músico pelo uso inadequado de palavras, dizendo que "nunca é aceitável utilizar uma palavra cheia de ódio".

"Eu não me importo em que ano nasceste ou que significado isso tem para ti. Se isso contribui para o ódio e o fanatismo, então é odioso. Nunca há um bom momento para dizer a palavra "bicha". Não me importa quem tu és", remata.

"Kamikaze" ainda agora saiu e já é um álbum de polémicas. E não só Tyler foi o alvo de Eminem. Drake, Lil Pump, Lil Yatchty, Earl Sweatshirt, Machine Gun Kelly, Donald Trump e até mesmo a famosa cerimónia de Grammys são criticados ao longo das novas 13 músicas. O rapper norte-americano parece não ter deixado nada por dizer e as primeiras impressões já inundaram as redes sociais.

As referências homofóbicas já não são, contudo, uma novidade na lírica de Eminem. Em 2013, durante uma entrevista à publicação Rolling Stone, o músico negou ser homofóbico e disse que a grande maioria das palavras pejorativas que usa não têm significado para si. Recordava ainda os seus mais de 14 anos de carreira, dizendo que "se neste momento alguém ainda não entende [o seu estilo]", então "não há nada que possa fazer para mudar o que pensam".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.