Em Belém como se estivesse em Bayreuth para ver "Lohengrin"

É a primeira vez que o festival wagneriano permite uma transmissão em direto fora da Alemanha e da Áustria. O Grande Auditório do CCB está quase todo vendido.

É uma história em que entram um rapaz transformado em cisne, feitiços, lendas do Graal, traições e um casamento que se faz e desfaz de imediato, ao som da Marcha Nupcial. Foi composta e escrita por Richard Wagner e estreada em 1850, com Liszt a dirigir.

A ópera Lohengrin, que abre o Festival de Bayreuth deste ano, será transmitida na quarta-feira no Grande Auditório do CCB, a partir das 17.00, legendada em português. Já foram comprados 80 por cento dos mil lugares disponibilizados pelo CCB - há pontos da sala que não têm boa visibilidade para um ecrã e não estão à venda. O musicólogo Paulo Ferreira de Castro, que foi diretor artístico do Teatro de São Carlos de 1992 a 2000, fará a partir das 16.00 a apresentação da obra.

O espetáculo é uma nova encenação de Yuval Sharon e tem direção musical de Christian Thielemann. O tenor polaco Piotr Becsala, um dos nomes de topo do canto lírico atual, será Lohengrin, e a soprano alemã Anja Harteros - "a Stradivarius das vozes" - será Elsa de Brabante.

A iniciativa de tentar a transmissão em direto, por satélite, partiu do Círculo Richard Wagner de Lisboa, que facilitou a cooperação do CCB com o Instituto Goethe. Parecia impossível acrescentar o Festival de Bayreuth à lista de espetáculos que o CCB transmite, em direto ou em diferido, da Royal Opera House, com casas cheias. "Sabíamos que isso só acontecia na Alemanha e na Áustria e estávamos pouco confiantes, mas com a intervenção do Círculo Richard Wagner e o pronto apoio do Goethe foi tudo resolvido rapidamente", disse ao DN Luísa Taveira, administradora do CCB. "É uma experiência inédita para todos", acrescentou.

"O Grande Auditório do CCB tem desde o ano passado condições tecnológicas excelentes, com o maior ecrã do país e um projetor de grande qualidade", disse ainda a administradora, que foi bailarina e fundadora da Companhia Nacional de Bailado. Quando deixou de dançar profissionalmente, Luísa Taveira foi diretora artística da CNB, de onde transitou para o CCB para regressar, como diretora artística, à casa-mãe. Em 2016 voltou a Belém como administradora.

O Festival de Bayreuth realiza-se anualmente desde 1876 na cidade que o próprio Wagner (Leipzig 1813-Veneza, 1883) escolheu, num teatro construído especificamente para as suas óperas. Ao longo de 36 dias, 60 mil pessoas acorrem à cidade do norte da Baviera, depois de terem disputado os bilhetes, muito menos do que os wagnerianos que os pretendem. Todos os espetáculos são óperas de Wagner. Neste ano, são apresentadas, além de Lohengrin, Parsifal, Tristão e Isolda, Os Mestres Cantores de Nuremberga, O Holandês Voador e As Valquírias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.