"É um cretino", diz o compositor Morricone de Quentin Tarantino

O lendário compositor italiano - que ganhou um Óscar pelo seu trabalho no filme "Os oito odiados", de Quentin Tarantino, ataca o realizador

A relação entre Ennio Morricone e Quentin Tarantino nunca foi a melhor, ao nível, segundo o El Mundo, de um "tenso spaghetti western". Os primeiros sinais de tensão surgiram logo em 2012, quando trabalharam juntos no filme "Django Libertado", mas tudo passou.

No filme "Os oito odiados", em 2015, Morricone compôs a música original e acabou por ganhar um Oscar. Mas, de acordo com o que contou numa entrevista à edição alemã da Playboy - na qual aproveita para voltar a atacar Tarantino sem "papas na língua" - esse famoso prémio nem foi uma experiência agradável.

"Fala sem pensar e deixa tudo para fazer à última da hora. É um caos", afirma. E foi mais longe: "Ele é um cretino. Rouba a todos e mistura tudo. Nada é original. E nem se pode chamar um diretor, não é comparável aos autênticos e grandes diretores de Hollywood, como John Huston, Alfred Hitchcock ou Billy Wilder. Eles eram muito bons. Tarantino só reaquece os ingredientes", sublinha o compositor.

Ennio Morricone não tens ilusões sobre os EUA. Nem sobre o dia em que ganhou um Oscar."Tolices. Não me emocionou nada. Só estava dorido por ter ficado sentado tanto tempo. Tive dores terríveis nas costas, tanto no avião como na cerimónia. Mesmo assim, mantive um ar satisfeito, pois sabia que a cerimónia logo terminaria e poderia sair", lembra Morricone, que completa 90 anos este sábado.

"Não quero voltar a viajar para os Estados Unidos com todas as suas pomposidades e a vergonha que são os Oscar", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.